asdasdasdasd

Presidente do STTAR destaca conquistas para mulheres no acordo coletivo deste ano

por Redação Nossa Voz 19 de Fevereiro de 2019 às 08:57
categoria: Agricultura

No programa Nossa Voz desta terça-feira (19) a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Petrolina (STTAR), Lucilene Lima fez um balanço do Acordo Coletivo firmado com o Sindicato patronal. De acordo com Leninha, a vitória da categoria foi expressiva.

"Conseguimos manter todos os direitos, as 84 cláusulas e tivemos um avanço na cláusula das gestantes. Está garantido que elas não podem trabalhar em locais insalubres e também garantimos três consultas médicas", comemorou a presidente do sindicato.

A presidente do STTAR destacou também que os trabalhadores precisam estar atentos aos seus direitos. "Não rasguem a convenção coletiva. Não tem que esperar o sindicato chegar. Eu sei que alguns trabalhadores tem medo de dizer não e perder o emprego. Mas se temos direitos adquerido, nós não podemos perder", afirmou Leninha. 

Leninha também lembrou que no dia 8 de março vai ser inaugurado o Centro de Saúde do Trabalhador e, além das consultadas com dentistas e oftalmologistas, os associados vão ter atendimento com dermatologistas e ginecologistas. E em breve, o sindicato vai anunciar a construção do Clube dos Trabalhadores Assalariados Rurais.


Trabalhadores da fruticultura do Vale do São Francisco ameaçam paralisação

por Redação Nossa Voz 14 de Fevereiro de 2019 às 08:56
categoria: Agricultura

Os trabalhadores assalariados de Petrolina-PE e e Juazeiro-BA ameaçam parar as atividades. O motivo da paralisação é a dificuldade de negociação com o Sindicato Patronal na Campanha Salarial Unificada Bahia e Pernambuco. Nas redes sociais a categoria está compartilhando o recado direto para os patrões: "Se não negociar o Vale vai parar".

A negociação entre patrões e trabalhadores assalariados foi um dos assuntos do Nossa Voz de ontem. De acordo com o  Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais (STTAR) de Petrolina, relatou que o Patronal quer retirar 42 cláusulas da Convenção Coletiva que está sendo montada há 25 anos.

Além disso, a proposta salarial também não segue o direito já conquistado pelos trabalhadores que devem receber R$ 43,00 acima do salário mínimo. A negociação deveria partir do piso de R$ 1.041,00, mas os patrões só chegam a R$ 1.025,00.


Patrões querem rasgar pela metade convenção coletiva dos trabalhadores rurais do Vale

por Redação Nossa Voz 13 de Fevereiro de 2019 às 11:11
categoria: Agricultura

Lá se vão oito rodadas de negociação da Campanha Salarial Unificada Bahia e Pernambuco e o Sindicato Patronal e até agora nada de acordo entre as partes. De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais (STTAR) de Petrolina, Lucilene Lima, o Patronal não está facilitando as negociações. “Eles tão pedindo retirada de 42 cláusulas da Convenção Coletiva. Isso não vamos aceitar”, garantiu.

De acordo com o advogado da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Pernambuco, Dr. Bruno a proposta é um retrocesso. “A convenção coletiva tem 82 cláusulas que garantem qualidade de vida pra quem trabalha na área rural. São mais de 100 mil trabalhadores na Bahia e em Pernambuco. Então, essa convenção assegura a qualidade das relações de trabalho, a saúde de trabalhador, a sua proteção do agrotóxico, o seu salário, o jovem, o abono dos estudantes. É uma convenção que une dois estados, talvez a única do Brasil que é unificada, ou seja, ela vem sendo construída há 25 anos e eles querem rasgar metade da convenção, eles estão querendo suprimir direitos do trabalhador”, explicou.

Ainda segundo o advogado da Fetaepe, o Patronal também não está fazendo propostas econômicas justas. "Ao longo desses anos os trabalhadores acumularam o direto de receber R$ 43,00 acima do salário mínimo, quer dizer que este ano a gente deveria estar começando a conversar a partir do piso de R$ 1.041,00. e os patrões só chegam a R$ 1.025,00", informou.

De acordo com o presidente da Federação dos Associados de Pernambuco, Gilvan José, a categoria continua aberta para negociação. “Precisamos estar em atenção, estamos abertos pra negociação, mas precisamos também estar prontos paro enfrentamento”, declarou.

Foto: Simone Marques


Cadastro do Programa Chapéu de Palha no Centro de Convenções de Petrolina começa hoje

por Redação Nossa Voz 4 de Fevereiro de 2019 às 10:40
categoria: Agricultura

Nesta segunda-feira (04) mais uma etapa do cadastro do Programa Chapéu de Palha em Petrolina-PE está sendo realizada no Centro de Convenções. O cadastro segue até sexta-feira (08). A última etapa do cadastro em Petrolina vai ser no dia 11 a 15/02, no N-4.

Podem se cadastrar trabalhadores da fruticultura irrigada, auxiliar de câmara fria e de casa de embalagem, embalador e tratorista. É necessário ter comprovação em Carteira de Trabalho e possuir o termo de rescisão contratual; Idade acima de 18 anos e registro em carteira por no mínimo 30 dias corridos no período correspondente à safra do ano anterior, Possuir vínculo empregatício em Carteira de Trabalho no ato do cadastramento e ser morador do município.

Foto: Divulgação

 

 


Garantia Safra: Governo do estado rebate declarações da prefeitura de Petrolina sobre atraso

por Redação Nossa Voz 29 de Janeiro de 2019 às 11:00
categoria: Agricultura

A Secretaria de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco (SDA-PE) divulgou nota rebatendo as declarações da Prefeitura de Petrolina-PE, feitas pelo secretário de Governo e Agricultura, Simão Durando ao Nossa Voz no programa de ontem (28). De acordo com o secretário, o governo estadual teria atrasado a contrapartida e isso prejudicou a boletos no município.

Na nota, a SDA-PE garantiu que no dia 15 de janeiro fez o repasse do valor. “O Governo do Estado de Pernambuco cumpriu sua parte em relação ao Garantia Safra, com o aporte, no último dia 15 de janeiro, de R$ 12,4 milhões no programa, beneficiando 120 mil famílias em 102 municípios do Agreste e Sertão".

Ao finalizar a nota, a Secretaria destacou que agora "cabe aos municípios, honrarem seus compromissos para que os agricultores não fiquem desassistidos“, alfinetou.


"Governo do estado não fez sua parte e penalizou os agricultores", diz Simão Durando

por Redação Nossa Voz 28 de Janeiro de 2019 às 11:39
categoria: Agricultura

A distribuição dos boletos do Garantia Safra para os agicultores beneficiados sofre atraso. De acordo com o Simão Durando, secretário de Governo e Agricutura do município, o governo do estado atrasou o repasse da contrapartida para o programa. "A senha de acesso foi gerada semana passada. A senha é a que gera os boletos. Então a União fez a parte dela. O município em setembro fez sua parte e o Governo do estado não fez sua parte e penalizou os agricultores", afirmou o secretário.

O benefício de R$ 850 deve ser pago aos agricultores que sofreram perdas de mais de 50% em suas produções e é formado pela contribuição do agricultor de R$ 17 (via boleto de adesão); do município cadastrado de R$ 51; do estado com R$ 102 e da União com R$ 680.

Apesar do atraso, hoje (28) começa a distribuição dos boletos na sede da Secretaria de Agricultura, localizada na Avenida Honorato Viana. Os boletos também serão distribuídos amanhã (29) em Rajada e na quarta-feira (30), na sede da Associação de Moradores de Izacolândia.

Fotos: Divulgação internet/ Milena Pacheco


Vistorias do Garantia Safra 2018/2019 começam em fevereiro em Juazeiro

por Redação Nossa Voz 24 de Janeiro de 2019 às 15:00
categoria: Agricultura

No dia 5 de fevereiro, começam as vistorias das áreas plantadas pelos agricultores inscritos no Programa Garantia Safra 2018/2019 em Juazeiro-BA. A dinâmica do programa vai, desde a adesão do município, à inscrição, homologação dos produtores, vistorias das áreas plantadas e recebimento do beneficio. Este ano os trabalhos começam no distrito de Pinhões.

O Garantia-Safra é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) voltada para os agricultores que sofrem perda sistemática de safra por motivo de seca ou excesso de chuvas. O programa tem como beneficiários os agricultores que possuem renda familiar mensal de, no máximo, 1,5 (um e meio) salário mínimo e que plantam entre 0,6 e 5 hectares de feijão, milho, arroz, mandioca, algodão. 

Foto: Reprodução Internet

 

-- 


Começa segunda (21) cadastro do Chapéu de Palha em Petrolina

por Redação Nossa Voz 20 de Janeiro de 2019 às 07:00
categoria: Agricultura

O cadastramento no programa Chapéu de Palha em Petrolina-PE começa na segunda-feira (21), na Agrovila Massangano, zona rural do município e segue até a primeira quinzena de fevereiro. O cadastro vai ser fe[ito em algumas comunidades, mas também haverá atendimento no Centro de Convenções da cidade, a partir de fevereiro.

Confira o cronograma de atendimento em Petrolina:

 

21/01 a 22/01 – Agrovila Massangano 

23/01 a 25/01 – Projeto Bebedouro 

23/01 a 25/01 – Tapera 

28/01 a 30/01 - Projeto Maria Tereza

28/01 a 01/02 – Projeto Senador Nilo Coelho – N10

04/02 a 08/02 – Centro de Convenções de Petrolina 

11/02 a 15/02 – Projeto Senador Nilo Coelho – N4 

Foto: Divulgação/Gov. de Pernambuco


IPA diz que é preciso 'barrar a comercialização de água de coco falsificada' na região

por Adriana Rodrigues 6 de Abril de 2018 às 15:00
categoria: Agricultura

Uma Audiência Pública que aborda comercialização de água de coco 'falsificada' no Vale do São Francisco foi realizada nesta sexta-feira (06), na Câmara de Petrolina. Vereadores, produtores de Coco e várias autoridades se fizeram presente na reunião.  

 A importação de um tipo de geleia, para dentro do Brasil tem acabado com a produção da fruta na localidade. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Produtores de Água de Coco, Francisco Porto, o plantio foi reduzido pela metade nos últimos cinco anos na região, caindo de 10 milhões de hectares para apenas cinco. “É uma preocupação muito grande essas importações predatórias”, afirmou. 

O vereador Ronaldo Silva explica que com “as produções de coco estão acabando” é preciso uma intervenção do Governo Federal. Francisco Porto explica que a geleia é o resultado da água de coco desidrata retirada vendida por duas vezes mais no Brasil e novamente hidratada com acréscimo de e vendida como água de coco. “Isso é néctar, não é água de coco. Mas no Brasil o poder econômico fala mais forte. Você vê o efeito aqui na região e, como aqui, aconteceu no Brasil inteiro”, explicou. 

De acordo com ele esse topo de importação subiu cerca 400% o volume nos últimos cinco anos. Um problema maior, segundo Porto, é que “essas indústrias foram instaladas com recursos e subsídios de que a finalidade delas era desenvolver a cultura local, mas isso é desvio de conduta”. Ele afirma que será realizada uma denúncia no Ministério Público Federal e Estadual. O sindicato tenta chamar a atenção do Governo Federal, pedindo que as empresas devolvam o que receberam pelo desvio de finalidade. “Eu quero que seja leal”, resumiu o presidente. 

José Batista, gerente do IPA, também esteve presente no reunião, representando o Secretário de Agricultura do Estado. Para ele, a solução é barrar esse tipo de produto no Vale. "Eu acho que primeiro tem que chegar nas autoridades para barrar essa concorrência desleal que está tirando milhões de emprego dos pequenos, médios e grandes agricultores. Medidas tem que ser tomadas a nível local, pra chegar a nível estadual e federal. O ministro da agricultura é que tem que tomar essas medidas para que o município não perca no que diz respeito a economia".

 

 


Encontro discute em Petrolina – PE demandas dos produtores de frutas do Vale do São Francisco

por Redação Nossa Voz 21 de Março de 2018 às 11:07
categoria: Agricultura

Questões tributárias, arranjo produtivo local e mudanças na fiscalização. Estas foram algumas das demandas discutidas na manhã desta terça-feira (20), no auditório do Senai Petrolina, durante a realização do 1º Encontro de Produtores de Frutas do Vale do São Francisco.

Logo na abertura do evento, o deputado estadual, Lucas Ramos, traçou um breve panorama das potencialidades e possibilidades da região, lembrando que do crescimento de 2% no PIB de Pernambuco, 17% diz respeito ao setor da agricultura. Na sequência, o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Petrolina (SPR), Jailson Lira, reivindicou que seja suspensa a cobrança do ICMS da cadeia produtiva para as empresas enquadradas como preponderantemente exportadoras.

O diretor da 3ª Região Fiscal da Secretaria da Fazenda de Pernambuco, Elias Alexandrino, concordou com Jailson Lira e reconheceu que o estado deve diminuir a burocracia permitindo um maior fluxo de caixa entre os produtores. Na sequência, o presidente da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária do Estado de Pernambuco (Adagro), Paulo Roberto, defendeu a emissão eletrônica do PTV (Permissão de Trânsito de Vegetais) pelo produtor através da internet, advertindo acerca da importância da comercialização dos produtos seguindo os pré-requisitos fitossanitários e exigências normativas nacionais e internacionais.

Dividido em módulos temáticos, o terceiro momento do encontro abriu espaço para um debate sobre Arranjo Produtivo Local e beneficiamento das frutas. A gerente da Unidade de Negócios do Sebrae Sertão São Francisco, Edneide Libório, falou sobre alguns projetos da entidade na área, além de ações para o fortalecimento dos pequenos negócios. Já o gerente de Arranjos Produtivos Locais da AD Diper, Álvaro França, detalhou os programas da entidade no estado, chamando atenção para algumas iniciativas desenvolvidas no sertão.

Dentre as participações dos componentes da mesa, chamaram a atenção do público os pronunciamentos do prefeito de Lagoa Grande, Vilmar Capelaro, do presidente da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco – Valexport, José Gualberto de Almeida, do secretário de Desenvolvimento Econômico e Agrário de Petrolina, José Batista da Gama, e do gestor do Sistema FIEPE (Federação das Indústrias de Pernambuco), Flávio Guimarães. Os organizadores do encontro anunciaram que a próxima edição será realizada no município de Lagoa Grande, ainda neste semestre.