asdasdasdasd

Licitação do transporte público de Petrolina é feita; Ainda não há previsão de resultado

por Redação Nossa Voz 15 de Março de 2019 às 16:37
categoria: Utilidade Pública

Nesta sexta-feira (15), foi realizada a abertura dos envelopes dos concorrentes à licitação especial do serviço público no transporte coletivo urbano de passageiros de Petrolina-PE. A licitação aconteceu no prédio da prefeitura e contou também com as presenças dos representantes das quatro empresas concorrentes; Atlântico Transportes (Bahia), Consórcio Planalto (Minas Gerais), Girassol e Viva (ambas de Petrolina), do Sindicato dos Rodoviários e alguns funcionários das empresas que operam os serviços na cidade como Joalina e Viva Petrolina, além dos vereadores Gabriel Menezes (PSL) e Paulo Valgueiro (MDB).

Nesta etapa foi feito o credenciamento das empresas licitantes, apresentação da documentação, habilitação, abertura de envelopes. Durante o processo de licitação houve o questionamento sobre uma das empresas concorrentes, por isso vai ser feita uma análise interna das propostas enviadas. Por essa razão, ainda não há previsão para divulgação do resultado. (fotos: Divulgação Oposição Petrolina e G1 Petrolina )


Pagamento do PIS para nascidos em maio e junho começa hoje

por Redação Nossa Voz 14 de Março de 2019 às 10:06
categoria: Utilidade Pública

A Caixa inicia hoje (14), o pagamento do Abono Salarial (PIS - Programa de Integração Social) do calendário 2018/2019, para os trabalhadores nascidos em maio e junho. Os valores variam de R$ 84 a R$ 998, de acordo com a quantidade de dias trabalhados durante o ano base 2017.

Quem tiver conta já recebeu o crédito automático antecipado na última terça-feira (12). Os pagamentos são escalonados conforme o mês de nascimento do trabalhador, e tiveram início em julho passado. O Abono Salarial permanecerá disponível para todos os beneficiários até 28 de junho de 2019.

O valor do benefício pode ser consultado no site www.caixa.gov.br/PIS ou pelo telefone: 0800 726 0207. (foto: Reprodução Internet)


Aeroporto dos Guararapes: Fiscalização encontra 19 balanças em situação irregular

por Redação Nossa Voz 14 de Março de 2019 às 08:36
categoria: Cotidiano

O Aeroporto Internacional dos Guararapes, no Recife, foi o alvo da fiscalização realizada pelos órgãos da Rede Consumidor PE ontem (13). O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), a Anatel e os Procons Pernambuco e Recife analisaram os diversos serviços prestados no local para averiguar a existência de práticas lesivas ao consumidor. O destaque ficou para as balanças localizadas nos balcões de despacho de bagagem, com quatro equipamentos interditados e outros 15 reprovados.

Para realizar o teste, os técnicos do Ipem utilizam pesos de cinco e dez quilogramas e conferem se o número mostrado no visor bate com o dos instrumentos. Se a leitura exceder a margem de erro, que é de 100 gramas para mais ou para menos, o equipamento é considerado reprovado. No caso de o erro de medição ser em prejuízo do consumidor (apontando um peso superior ao peso real), a balança é interditada e só pode voltar a ser utilizada depois de passar por manutenção e ser aprovada em um novo teste do Ipem. A Infraero tem prazo de dez dias para realizar o conserto dos equipamentos.

Os equipamentos de autoatendimento para despacho de bagagens pelo próprio passageiro também foram vistoriados. Os técnicos identificaram que as máquinas estavam em desacordo com a legislação, já que os selos comprobatórios das balanças não estavam à vista do público.

De acordo com o Procon Pernambuco, o posto de atendimento instalado no Aeroporto do Recife registrou um total de 51 reclamações contra os serviços de empresas aéreas desde o início do ano; no ano de 2018, os consumidores prestaram 401 queixas. (foto: Divulgação MPPE)

 


Linha divisória entre Pernambuco e Bahia é revista

por Redação Nossa Voz 14 de Março de 2019 às 07:49
categoria: Cotidiano

Os órgãos e entidades envolvidos na materialização da linha divisória entre os estados de Pernambuco e Bahia, participaram ontem (13) de um levantamento que envolve as cidades de Petrolina, Afrânio, Casa Nova e Queimada Nova. O objetivo é conseguir dados que contribuam com a identificação dos reais proprietários das ilhas no rio São Francisco. 

Participam do trabalho o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A nova linha traçada terá um detalhamento melhor por causa do avanço dos equipamentos cartográficos. Esta é a primeira vez que Pernambuco participa de estudo no porte interestadual. O levantamento não usou o critério da linha talvegue (a linha variável ao longo do tempo que se encontra no meio da junção mais profunda de um vale ou rio), uma vez que os barramentos realizados modificaram o leito do rio.

Para captar o sentimento dos moradores locais, foram realizadas entrevistas para identificar a noção de pertencimento deles se a Pernambuco ou à Bahia, além da prestação de serviço público feito nos locais.

Concluiu-se que a ilha do Rodeadouro é da Bahia, mas tem distribuição elétrica feita pela Celpe. A do Massangano e Jatobá são de Pernambuco. Para Afrânio foi usada a referência de divisor de águas e feitos alguns ajustes com as estradas existentes. No limite entre Afrânio e Petrolina também serviu-se do divisor de águas. Somente na Ponta da Serra houve necessidade de ajuste em função da administração ali encontrada já ser de Petrolina. No trecho final do Projeto Senador Nilo Coelho, a linha divisória ficou ajustada pelos critérios de propriedade já definidos e registrados pela Codevasf.

O trabalho de traçar a nova linha continuará para identificar todas as ilhas até o barramento com Itaparica. “Tudo foi acordado entre as equipes técnicas e órgãos federal, estadual e municipais que acompanharam o levantamento e o traçado realizado é o que o IBGE pretende usar no próximo censo. Será elaborado um relatório final até o final de abril”, revelou a promotora de Justiça Rosane Moreira Cavalcanti. (foto: Reprodução Internet)


Em nota, Secretaria Estadual de Saúde rebate uso indevido de emendas destinadas à Apami

por Karine Paixão 13 de Março de 2019 às 16:11
categoria: Cotidiano

Sobre as emendas parlamentares federais supostamente destinadas à Associação Petrolinense de Amparo à Maternidade e à Infância (Apami), a secretaria estadual de Saúde (SES) esclarece:

 

1 – A informação de que os recursos das emendas citadas seriam destinados à Apami não tem nenhum fundo de verdade. Os valores jamais poderiam ter sido enviados à instituição. Uma possível transferência também iria contra a lei, sendo passível de penalidades dos órgãos de fiscalização e controle. Isso, porque a Apami não possuía as documentações, credenciamento e certificações necessárias para receber repasses oriundos da União. Além disso, o Ministério da Saúde, através da Portaria N° 3.134 de 2013, não permite a transferência destes recursos para unidades que não estejam vinculadas à Secretaria Estadual, como é o caso da Associação.

 

2 – Inclusive, ciente da impossibilidade da Associação receber os recursos federais, já em 14 de outubro de 2015, ainda na fase de manifestação de intenção da emenda, o próprio senador Fernando Bezerra Coelho reconheceu este impedimento e encaminhou ofício aos ministros da Saúde e da Secretaria Geral da Presidência da República, solicitando que o beneficiário dos recursos fosse alterado. No documento, ao invés da instituição, os valores passariam a contemplar a SES. O próprio senador justifica esta mudança pela "impossibilidade técnica" da Apami. 

 

Portanto, ao contrário do que afirmam a Associação Petrolinense de Amparo à Maternidade e à Infância e o deputado estadual Antonio Coelho, as emendas não foram destinadas à Apami, mas sim à Secretaria Estadual de Saúde para beneficiar o Hospital Dom Malan. A transferência foi realizada fundo a fundo pelo Ministério da Saúde (MS) entre 2016 e 2017.

 

3 – Apesar de todo o arcabouço jurídico impedindo a destinação das verbas, os parlamentares continuaram insistindo na destinação dos recursos para a Apami. Por causa de toda celeuma gerada pelo tema, o processo de utilização dos recursos foi travado. Desta forma, também é mentirosa a informação de que restam apenas R$ 77 mil dos recursos. A verdade é que o saldo total nas contas onde as emendas estão alocadas é de R$ 5,9 milhões, superior aos R$ 5,3 milhões iniciais.

 

A Secretaria Estadual de Saúde, em uma última tentativa de resolver a situação, encaminhou, no final do ano passado, ofício ao Ministério da Saúde consultando se os recursos poderiam ser repassados à Associação. A resposta do ente federal não só excluiu por definitivo esta possibilidade, como ordenou que os recursos das emendas fossem devolvidos para a União.  A SES já iniciou os trâmites para efetivar a devolução. 

 

4 - Com relação ao contrato do Hospital Dom Tomás com o Estado, a SES informa que o serviço foi habilitado como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia pelo Ministério da Saúde apenas no final de novembro de 2018. Porém, por conta de pendências de documentação da própria Apami, houve atraso na efetivação da contratualização. No entanto, o processo já está em fase final, o que vai possibilitar o acréscimo de mais R$ 7,2 milhões/ano para o custeio da instituição. 

 

5 – Por fim, a Secretária Estadual de Saúde reitera seu compromisso com a verdade e sua responsabilidade no uso dos recursos públicos em prol da população que necessita do SUS em Pernambuco.


Falta de recursos vitima pacientes com câncer: “Conheço pessoas que vieram a óbito”

por Redação Nossa Voz 13 de Março de 2019 às 12:33
categoria: Cotidiano



A repercussão da interrupção do atendimento no Hospital Dom Tomás, que atende pacientes com câncer de Petrolina e região, além de Bahia, Ceará e Piauí, cresce entre a população e políticos locais. Numa participação ao vivo no programa Nossa Voz, o vereador Ronaldo Souza reforçou ter pesquisado a situação da unidade e saúde e assegura o seu reconhecimento junto ao Governo Federal, que repassa mensalmente o valor de R$740 mil via Governo de Pernambuco. A gestão Paulo Câmara por sua vez, faria o repasse via IMIP para a Apami – unidade mantenedora do hospital. O problema, segundo Souza está dentro da Secretaria Estadual de Saúde, que não reconhece a unidade como referência para tratamento contra o câncer via Sistema Único de Saúde e por isso não faz a complementação necessária. 

“Pernambuco não reconhece. Isso é uma falta de respeito aos petrolinenses, ao Vale do São Francisco. Isso é uma falta de compromisso com a vida. Ainda tem determinados deputados que fazem justificativas mentirosas, falácias numa situação dessa delicadeza. Se não é repassado direto ao Dom Tomás é porque Pernambuco não reconhece, não reconheceu ainda o Dom Tomás como instituição, um hospital publico para tratamento de câncer. E já existe um credenciamento pelo SUS. 

Há um deficit negativo em torno de R$ 40 mil, R$ 50 mil mês”, explicou. 

Segundo o parlamentar, 16.150 pessoas fazem tratamento contra o câncer através da Apami em Petrolina. Deste total, 9.600 são mulheres e mais de 7 mil homens. Cerca de 100 crianças também recebem atendimento na unidade. 

Para o vereador Gilberto Melo, que também participou do Nossa Voz desta quarta-feira (13), os deputados radicados em Petrolina estão devendo satisfações a população. “Eu quero que os deputados que mandaram nota defendendo o Governo do Estado que agora possa mandar a nota esclarecendo para a população de Petrolina, onde foi que o governador colocou o dinheiro que era destinada a Apami e desviou para outra finalidade. Então agora eu quero cobrar desses deputados que possam enviar ainda hoje uma nota a nossa cidade dizendo onde foi, onde era que o Estado precisava de mais dinheiro urgente que não fosse a APAmi. E desviou esse dinheiro, alguns deputados defenderam. Eu fico triste porque esses deputados são lá ligados ao Governo do Estado, são filhos de Petrolina, poderiam estar lá brigando e dizendo que será resolvido. Mas não, estão lá coniventes com essa burocracia para que o credenciamento não aconteça, para que a Apami não seja credenciada”, disparou.

Em meio a toda essa celeuma ficam os pacientes. João Augusto dos Santos, paciente do Centro de Oncologia mantido pela Apami, ligou emocionado para o programa e relatou sua frustração com a falta de recursos destinados a unidade. “Eu fui paciente do Centro de Oncologia e continuo sendo porque eu participei e passei por transplante de medula óssea através daí e eu tenho certeza que muitas pessoas estão nesse sofrendo porque estão com câncer, estão com um problema sério e não vindo essa ajuda do Governo do Estado, dos deputados. Onde eles estão que não podem ajudar esse Hospital Dom Tomás que está para ajudar as pessoas que estão necessitando. Tenho certeza que esses políticos não tem Deus no coração não. Se tivessem Deus no coração estariam participando, trazendo esses recursos para o hospital. Eu conheço pessoas que vieram a óbito porque participaram desse tratamento e não conseguiram terminar. Eu tenho certeza que Deus vai abençoar a cada um deles”. 

O vereador Zenildo Nunes foi além das cobranças feitas às representações políticas ligadas a Paulo Câmara e levantou a hipótese sobre o destino dos R$ 3,8 milhões provenientes emendas parlamentares enviadas para a Apami via Governo do Estado e que foram usadas para outra finalidade. “O Hospital Dom Tomás já está com o credenciamento do Governo Federal falta apenas o Governo do Estado. Já fizeram várias avaliações e até agora não deram esse aval para o repasse dos recursos. Eu tenho para mim, não tenho certeza, mas esses recursos realmente foram utilizados durante a política e aí está o povo sofrendo. E veja que o povo de Petrolina votou maciçamente no Governo do Estado de Pernambuco e nem aqui ele andou. Mas todos confiaram nele, muitas pessoas votaram nele, está aí o troco e o resultado das pessoas que votaram nele e que agora estão precisando fazer esse tratamento”, disparou.

Em nota,  a Secretaria Estadual de Saúde rebateu as informações. Clique aqui para conferir. 

 


Governo do Estado falha no credenciamento do Hospital Dom Tomás junto ao Ministério da Saúde

por Karine Paixão 12 de Março de 2019 às 12:22
categoria: Cotidiano

Diante da falta de recursos, a Apami segue com o atendimento restrito a população. Atualmente, apenas o atendimento pediátrico foi mantido e segue graças as doações feitas pela população. Enquanto isso, a burocracia e a insensibilidade permanecem por parte do Governo do Estado, que se limita apenas a enviar notas à imprensa através da sua assessoria alegando estar em dias com os repasses para a instituição previstos pela Secretaria Estadual de Saúde. Porém há equívocos presentes nessa declaração.

Segundo o presidente da Apami, Augusto Coelho, os serviços prestados pela entidade que é a principal mantenedora do Hospital Dom Tomás – unidade que atende gratuitamente pacientes com câncer da região – em janeiro ainda não receberam o devido pagamento da SES. Os procedimentos referentes a pactuação com a Secretaria Estadual de Saúde geram um impacto financeiro em torno de R$ 800 mil por mês.

Após conversar com o secretário André Longo, o deputado estadual Lucas Ramos (PSB) entrou em contato com a redação do Nossa Voz informando que “O secretário esteve reunido com representantes da APAMI para ajustar o convênio que permitirá ao Hospital Dom Tomás o recebimento de R$ 600 mil por mês para atendimento em oncologia. Mas para que o Estado possa realizar esses pagamentos, é necessário que o Hospital seja credenciado pelo Governo Federal através do Ministério da Saúde, o que ainda não aconteceu”.

Porém, houve no dia 22 de novembro de 2018 a visita do então ministro de saúde da época, Gilberto Occhi, e na ocasião, ele e o ainda secretário de Saúde de Pernambuco, Iran Costa, anunciaram a habilitação do Hospital Dom Tomás como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON), além de quatro leitos de UTI adulto na unidade.

De acordo com Augusto Coelho, naquele mesmo dia, Iran Costa assegurou que toda a tramitação estaria finalizada até 31 de dezembro, o que não aconteceu. A nova gestão da SES, hoje chefiada por André Longo, não reconheceu as ações empreendidas por Costa e novas fiscalizações estão previstas para viabilizar o credenciamento junto ao Ministério da Saúde. “Burocracia é um palavrão. Para você ter uma ideia, encaminhamos um ofício para a Secretaria de Saúde que demorou 45 dias para ser respondido. Ele passou pela análise 18 secretarias antes de ser devolvido. E sabe do que tratava esse ofício? Um médico oncologista que tinha um tempo ocioso. A Apami solicitou que ele atendesse no hospital (Dom Tomás). Depois de 45 dias tramitando, o pedido foi negado”, relatou Coelho.

 

Enquanto isso quem perde é a população. Segundo as informações repassadas por Iran Costa, na sua última vista a Petrolina como secretário de saúde, após a habilitação do Hospital Dom Tomás junto ao MS, a unidade passa a receber, anualmente, recursos federais no valor de R$ 6,383 milhões, sendo R$ 559 mil destinados aos leitos de UTI e R$ 5,824 milhões para a atuação como serviço de UNACON. Por ano, o Governo do Estado vai investir R$ 4,974 milhões na unidade em recursos oriundos exclusivamente do tesouro estadual. Mas por enquanto, conta com apenas com a solidariedade da população sertaneja para dar continuidade aos atendimentos.

 

Como ajudar

 

Segundo o site da Apami, é possível fazer depósitos na conta da instituição. Empresas também podem doar:

 

Banco do Brasil

Agência: 0963-6

Conta 1010-3

CNPJ: 10.730.125/0001-20

Associação Petrolinense de Amparo à Maternidade e a Infância – APAMI

 

Telemarketing:

Ligue para 87 3864 2594

 

Empresa Amiga

Para saber mais, ligue para:

(87) 3862-8650 | 3862-8654

 

Além disso é possível doar parte da restituição do Imposto de Renda. Saiba mais clicando aqui.


Lixo do Carnaval: 7 toneladas foram recolhidas nesta edição; em 2018 foram 20 t em Petrolina

por Redação Nossa Voz 6 de Março de 2019 às 14:17
categoria: Carnaval 2019

A quantidade de lixo recolhida das ruas de Petrolina-PE durante o carnaval teve redução no comparativo com a folia de momo do ano passado. De acordo com a prefeitura, foram retiradas das vias públicas durante a festa sete toneladas de lixo, enquanto em 2018 foram 20 toneladas.  

Para o secretário-executivo de Serviços Públicos, Alisson Oliveira, isso pode ser sinal de que o folião está mais consciente. "Nossa avaliação é de que o nosso folião está mais consciente e preocupado com o meio ambiente”, destaca Oliveira. 

A equipe, que contava mais com de 40 pessoas, contou com a ajuda de três caminhões caçamba, um caminhão poliguindaste, duas máquinas de varrição e três caminhões-pipa. 

Foto: Divulgação


Ex-pároco do bairro Alto do Cocar de Petrolina morre após infarto

por Redação Nossa Voz 6 de Março de 2019 às 12:08
categoria: Cotidiano

Faleceu ontem (06) em Lagoa Grande-PE o padre Paulo José, de 44 anos, vítima de um infarto. Paulo foi ordenado pela Diocese de Petrolina-PE e também atuou como padre em Lagoa Grande e Ipubi, mas estava sem atividades no ministério desde que se casou.

Como ele era muito querido na Diocese do município, o velório vai ser realizado no Salão Paroquial da Capela São Vicente de Paula, no bairro Alto do Cocar.

Foto: Reprodução WhatsApp


Agulhadas: Dez pessoas procuram hospital após serem furadas no carnaval do Recife

por Redação Nossa Voz 6 de Março de 2019 às 07:07
categoria: Carnaval 2019

Cerca de dez pessoas deram entrada durante o carnaval no Hospital Correia Picanço do Recife-PE, após serem supostamente feridas com agulhas durante a folia de momo. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), os pacientes passaram por uma profilaxia pós exposição, tratamento padrão para prevenir o contágio por HIV. As vítimas foram liberadas e deverão retornar à unidade de saúde para monitoramento.

Segundo a pasta, além do tratamento médico, as pessoas feridas foram orientadas a procurar a polícia para que um inquérito seja aberto. A secretaria informou ainda que as ocorrências foram notificadas desde o último sábado.

A reportagem do OP9 entrou e contato com a Polícia Civil, mas até a publicação desta matéria não havia nenhum registro das ocorrências nos sistemas do órgão.

Fonte: OP9/ Foto: Divulgação