| Última edição: 22/12/20 - 14:44

Home Notícias Crime De perfil técnico, delegada do caso Beto Freitas diz não sentir pressão...

De perfil técnico, delegada do caso Beto Freitas diz não sentir pressão em investigar Carrefour

Compartilhe:

A investigação sobre o homicídio de Beto Freitas, 40, espancado até a morte no Carrefour em Porto Alegre é liderada pela delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre. Há 20 anos na Polícia Civil, ela é considerada uma profissional de perfil técnico e discreto. Portanto, nunca fala abertamente sobre suas preferências políticas.

Bertoldo lidera uma equipe formada por 11 agentes, entre escrivães e inspetores. A maioria deles é formada por homens – nove, no total; além de duas mulheres. Quem entra no Departamento de Homicídios, no Palácio da Polícia Civil, no cruzamento das avenidas João Pessoa e Ipiranga, se depara com o vai e vem dos agentes portando seus distintivos dourados, indo ou voltando de cumprimentos de mandados de busca e apreensão, coletando provas e depoimentos.

Foto: SILVIO AVILA / AFP)

“É tranquilo. São todos parceiros. Todo mundo sabe que a decisão final é minha, mas são discussões conjuntas, com diálogo”, diz Bertoldo sobre comandar uma equipe majoritariamente masculina. A equipe é composta apenas por pessoas brancas. “Como em qualquer profissão, infelizmente, ainda se vê mais brancos. Essa é a realidade desta delegacia, mas outras possuem profissionais negros”, diz a delegada.

Investigando homicídios, a equipe é habituada a cumprir mandados de busca e apreensão em casa de suspeitos de assassinatos. “Se mantém o respeito com todos, inclusive com os suspeitos”, relata. Em um caso como o da morte de Beto Freitas, um homem negro agredido por brancos, a discussão do racismo estrutural veio à tona em todo o país. A delegada investiga se houve crime de racismo ou injúria racial no caso de Beto, mas ainda não há evidências desse tipo de crime, que agravaria o crime de homicídio doloso triplamente qualificado. Isso não exclui, ressalta ela, o racismo estrutural presente na sociedade.

Além do debate em torno do racismo estrutural, a delegada diz que não se sente pressionada pelo envolvimento de uma rede multinacional de supermercados no caso de Beto Freitas, o Carrefour. “Se fosse num mercado pequeno, teria valor idêntico”, diz.

Na coletiva de imprensa, onde foi a anunciada a prisão da fiscal do Carrefour Adriana Alves Dutra, Bertoldo foi elogiada pela delegada-chefe da Polícia Civil, Nadine Anflor, 44. Ela é a primeira mulher a chefiar a corporação gaúcha em 179 anos de história e também diz ser feminista. Anflor elogiou a delegada por investigar “com rapidez e dentro da lei”.(Fonte: Folha de PE)