asdasdasdasd

Com Enem, horário de verão começa no dia 18 de novembro

por Milena Pacheco 4 de Outubro de 2018 às 17:52
categoria: Educação

Ministro diz que estudantes terão mais tranquilidade para as provas

A um mês das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o governo federal adiou o início do horário de verão para o dia 18 de novembro. O texto com a decisão será publicado no Diário Oficial da União. A data final para o horário de verão foi mantida para o terceiro domingo de fevereiro de 2019.

Nas redes sociais, o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, comemorou a mudança. “Candidatos terão mais tranquilidade para fazer as provas! Caso o horário de verão iniciasse no primeiro dia de provas do Enem, como estava previsto, muito provavelmente acarretaria prejuízos aos participantes.”

Horário de verão

Horário de verão começará no dia 18 de novembro - Arquivo/Agência Brasil

O pedido para mudar o início do horário de verão foi encaminhado pelo Ministério da Educação à Presidência da República. As provas do Enem estão marcadas para os dias 4 e 11 de novembro em todo o país. A previsão é de que 5,5 milhões de estudantes participem.

Locais

No início do horário de verão, os relógios devem ser adiantados em uma hora. O horário é adotado nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal.

Normalmente, a mudança de horário ocorre em outubro, mas no final do ano passado, o presidente Michel Temer assinou decreto adiando o início para novembro. Também houve uma discussão em torno da mudança de datas em decorrência do período eleitoral – o primeiro turno é no próximo domingo, 7, e o segundo dia 28. (Fonte: Agência Brasil)


Secretária enaltece avanços na educação de Petrolina e fala em ensino igualitário nas zonas urbana e rural

por Gabriela Canário 4 de Outubro de 2018 às 08:43
categoria: Educação

À frente da Secretaria de Educação de Petrolina desde junho deste ano, quando a professora Maéve Melo desligou-se do cargo, Margareth Zaponi afirmou, em entrevista ao Nossa Voz, que a atual administração muito tem feito em prol de um ensino de qualidade no município, destacando que uma das dificuldades da gestão foi em relação às péssimas condições de infraestrutura das escolas deixadas, segundo ela, pela gestão anterior.

“O prefeito tem colocado educação como prioridade. Foi feito um diagnóstico [no início da administração de Miguel Coelho] e foram vários desafios. Um deles, a infraestrutura. As escolas estavam funcionando em condições precárias, [então] o prefeito colocou ações para melhorar a estrutura e fornecimento de água, melhorando as condições e fornecendo material didático”, destacou a Secretária.

Para confirmar esse avanço na educação, Margarethi apresentou dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2017. Petrolina superou as metas previstas para o ano, em todos os níveis da educação Fundamental, determinadas pelo Ministério da Educação, e obteve o maior índice entre as cidades de Pernambuco com mais de 100 mil habitantes. “Temos que garantir as condições para que todos possam aprender. Todas as escolas, das zonas rural e urbana, têm que ter as mesmas condições para atender aos alunos”, destacou.


Educação: inscrições para concurso da Prefeitura de Petrolina começam hoje

por Gabriela Canário 3 de Outubro de 2018 às 09:52
categoria: Educação

Começa nesta quarta-feira (3) e segue até o dia 4 de novembro as inscrições para o concurso público promovido pela Prefeitura de Petrolina, com o objetivo de preencher 455 vagas de professor. Os interessados devem fazer sua inscrição, exclusivamente, pela internet no site: www.upenet.com.br.

A inscrição para o concurso tem um valor de R$80 para todos os cargos. Os candidatos podem acessar o edital, também disponível no endereço da inscrição, para ter detalhes sobre o pedido de isenção da taxa.

Estão disponíveis vagas para os cargos de professor de educação infantil; professor de anos inicias da educação fundamental e dos anos finais, nas disciplinas de matemática, língua portuguesa, história, geografia, inglês, ciências e educação física, para atuação na sede e no interior. Uma inovação deste certame é a definição de vaga por região da zona rural. Assim, de acordo com a secretaria da pasta, Margareth Zaponi, os candidatos já vão realizar a prova sabendo em qual setor irão concorrer.

 O concurso será realizado em duas etapas de provas: prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, e avaliação de títulos, de caráter classificatório. No dia 6 de janeiro de 2019 será realizada a prova composta por 50 questões de múltipla escolha (10 de matemática, 10 de língua portuguesa e 30 de conhecimentos específicos), com cinco alternativas e apenas uma resposta correta, e versará sobre assuntos do Conteúdo Programático constante em anexo do edital.


Professores da Uneb paralisam as atividades em protesto a crise orçamentária

por Adriana Rodrigues 7 de Agosto de 2018 às 07:35
categoria: Educação

A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) amanheceu de portões fechados nesta segunda-feira (6), em função da paralisação dos professores, que deve continuar até sábado (11), em todas as 24 unidades da instituição distribuídas no estado. A decisão foi tomada no dia 25 de julho, durante assembleia da categoria.

Os docentes protestam contra os problemas causados pela crise orçamentária, sobretudo em relação à ameaça do corte das passagens intermunicipais aos professores – que dependem das mesmas para trabalharem nos campi do interior -, que deve ocorrer em outubro deste ano. Além disto, os docentes também reclamam da falta de infraestrutura e exigem maior orçamento para a universidade.

Neste primeiro dia de paralisação, os professores fazem panfletagem em frente ao campus de Salvador, no bairro do Cabula, e realizam uma programação que inclui café da manhã, falas dos docentes e apresentações culturais. A expectativa é que a manifestação tenha a adesão de estudantes e servidores técnicos.

Segundo o coordenador-geral da Associação dos Docentes da Uneb (Aduneb), Milton Pinheiro, a categoria reivindica a alteração do Decreto de Lei 6.192/97, que limita a compra de passagens, por parte da reitoria da universidade, a apenas 72 km do local de moradia do professor. De acordo com a associação, os professores pressionam a reitoria para uma solução definitiva a questão desde 2015.

Até o momento não houve um posicionamento das secretarias estaduais de Educação e Administração sobre a situação. A equipe também tentou contato com a Uneb, mas não obteve êxito.


Novo modelo do Enem poderá ser apresentado este ano

por Adriana Rodrigues 7 de Agosto de 2018 às 07:27
categoria: Educação

Um novo modelo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderá ser apresentado ainda este ano, segundo o ministro da Educação, Rossieli Soares. O formato dependerá, no entanto, da aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio, atualmente em discussão no Conselho Nacional de Educação (CNE). As mudanças devem começar a ser aplicadas apenas após 2020.

Segundo o ministro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) estuda atualmente como será a nova avaliação. A mudança será feita a partir da BNCC, que define o conteúdo mínimo que deverá ser ensinado em todas as escolas do país. Uma possibilidade é que haja modelos diferentes de provas para avaliar os itinerários formativos estabelecidos no novo ensino médio.

“O Inep está estudando uma proposta em paralelo, enquanto se discute a BNCC, para apresentar uma proposta para a sociedade brasileira assim que a BNCC tiver sido aprovada. Nós vamos apresentar uma proposta ainda este ano se a base for aprovada, como é o nosso desejo”, disse o ministro nesta segunda (6) no 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, organizado pela Associação de Jornalistas de Educação (Jeduca).

Pelo novo ensino médio, sancionado no ano passado, parte do currículo da etapa de ensino, o equivalente a 1,8 mil horas deverá ser destinado ao conteúdo da BNCC. O restante do tempo, que varia de acordo com a rede de ensino, será destinado à formação específica. Os estudantes poderão escolher entre o aprofundamento em linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico.

O ministro também disse ser necessária uma adequação da formação do ensino médio, que não pode ser voltada apenas para que os estudantes se saiam bem no Enem. “O Enem precisa mudar. Não podemos fazer educação com Enem sendo o norte da educação. Pela primeira vez, o Brasil terá a oportunidade de discutir o Enem, que é porta de entrada [no ensino superior] e não porta de saída”, defendeu.

Atualmente, o Enem é composto por provas de linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e redação. Neste ano, mais de 5,5 milhões se inscreveram para o exame. As notas do exame podem ser usadas para concorrer a vagas no ensino superio público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas em instituições particulares de ensino superior pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e a financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Formação de professores

Também a partir da BNCC, segundo Rossieli, será elaborada uma base nacional para a formação de professores. Essa base poderá também ser apresentada para ser discutida pela sociedade este ano caso a BNCC seja aprovada. “Como nação, precisamos mostrar qual o perfil de formação para os professores. Tendo esse perfil, tendo a BNCC, precisamos apoiar professores com formação continuada”, disse.

O 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, cujo principal foco é eleições, ocorre hoje e amanhã em São Paulo e pode ser acompanhado ao vivo pela internet. 


STF julga legal regra que estipula data de corte para ingresso no ensino infantil e no fundamental

por Gabriela Canário 1 de Agosto de 2018 às 16:20
categoria: Educação

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (1º), por seis votos a cinco, manter a validade de normas que estipulam idade de 4 anos e 6 anos, respectivamente, completados até 31 de março, para ingresso no ensino infantil e no fundamental.

julgamento começou em maio. Naquele mês, quatro ministros consideraram válidas as normas do Conselho Nacional da Educação (CNE). Outros quatro votaram pela derrubada da barreira de março, por considerarem que a criança pode ser matriculada em qualquer período durante o ano que completar 4 ou 6 anos.

Na retomada do julgamento, nesta quarta-feira, o resultado voltou a ficar empatado. O ministro Marco Aurélio entendeu que o corte etário deveria ser mantido, e Celso de Mello votou contra essa exigência.

COMO VOTARAM OS MINISTROS
































A favor do corte etário Contra o corte etário
Luís Roberto Barroso Edson Fachin
Gilmar Mendes Alexandre de Moraes
Luiz Fux Rosa Weber
Ricardo Lewandowski Dias Toffoli
Marco Aurélio Mello Celso de Mello
Cármen Lúcia  

Fonte: STF

Voto de desempate

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, última a votar, defendeu a manutenção do corte etário para a matrícula.

Segundo a ministra, a legislação brasileira levou em consideração “um grande estudo” para instituir o corte etário em 31 de março e essa regra não fere o princípio da isonomia. “O conselho levou em consideração as condições dos alunos nacionalmente”, afirmou.

Para ela, derrubar essa barreira provocaria uma "desorganização" no sistema de ensino.

Duas ações

O Supremo analisou duas ações. Uma foi apresentada pelo governo do Mato Grosso do Sul, que pedia a declaração de legalidade de artigo da Lei de Diretrizes e Bases da Educação.

O artigo estabelece que o ingresso no ensino fundamental está limitado a crianças com 6 anos completos no início do ano letivo.

A outra ação foi apresentada pela Procuradoria Geral da República, contra as normas do CNE, que estipulam que a criança tenha completado a idade mínima no fim de março – para a PGR, as normas restringem o acesso à educação.

G1


Fies 2018: inscrições foram prorrogadas até esta terça-feira

por Gabriela Canário 23 de Julho de 2018 às 17:00
categoria: Educação

As inscrições para o Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2018 foram prorrogadas até as 23h59 desta terça-feira (24). Para se inscrever, é preciso acessar a página do Fies na internet.

A data da divulgação do resultado também mudou e vai ocorrer no dia 30 de julho.

Nesta edição são 155 mil vagas ofertadas, sendo 50 mil com juro zero.

Segundo o Ministério da Educação, a prorrogação foi feita porque o sistema apresentou falhas e estava ofertando vagas que não existiam. O ministério, então, entrou em contato com os estudantes que haviam feito inscrição em cursos sem vagas ofertadas para que refizessem o processo.

"Para aqueles que não refizeram, o sistema automaticamente cancelou a inscrição e o MEC os comunicou, também via e-mail e SMS. Ainda, para não prejudicar os alunos, o MEC decidiu prorrogar o prazo de inscrição do processo por mais dois dias", diz o ministério em nota.

Segundo o MEC, até a manhã desta segunda-feira (23) já haviam sido concluídas 170.190 inscrições.

Podem participar da seleção, estudantes que fizeram o Enem a partir da edição de 2010 e obtiveram média aritmética das notas nas provas igual ou superior a 450 (quatrocentos e cinquenta) pontos e nota na redação superior a 0 (zero).

Para concorrer pela modalidade de financiamento do Fies, é preciso ter renda familiar mensal bruta per capita de até três salários mínimos. Já na modalidade P-Fies (quando o agente financeiro é o banco), a renda familiar mensal bruta per capita deve ser de de três a cinco salários mínimos.

MEC divulga a prorrogação do Fies do segundo semestre de 2018 (Foto: Reprodução)

MEC divulga a prorrogação do Fies do segundo semestre de 2018 (Foto: Reprodução)

Modalidades do Fies

O novo Fies tem duas modalidades:


  • Fies: Candidatos cuja renda familiar per capita seja de até 3 salários mínimos. Nesse tipo de financiamento, o pagamento será feito com juros zero.

Caso o estudante se encaixe nessa faixa de renda, só poderá participar do P-Fies se não houver vaga para o curso desejado na primeira modalidade.


  • P-Fies: Candidatos cuja renda familiar per capita esteja entre 3 e 5 salários mínimos. Nessa modalidade, o financiamento é feito por condições definidas pelo agente financeiro operador de crédito (banco).

Teto de semestralidade

A seleção do segundo semestre terá o retorno do limite máximo do valor das mensalidades cobertas pelo fundo. Ele voltará a cobrir cursos com mensalidades de até R$ 7 mil, ou R$ 42 mil por semestre. No primeiro semestre, o limite era de R$ 30 mil, o que permitia que apenas cursos com mensalidade de até R$ 5 mil pudessem participar do financiamento.

Conhecido como "teto da semestralidade", esse limite de R$ 42 mil já existia no antigo modelo do Fies, mas foi reduzido no lançamento do Novo Fies, segundo ele, em nome da "sustentabilidade" do programa.

Cronograma do Fies


  • Inscrições: até 24 de julho

  • Resultado: 30 de julho

  • Complementação da inscrição: 30 de julho a 3 de agosto

  • Lista de espera (modalidade Fies): 4 a 24 de agosto


Fies abre inscrições para 155 mil vagas no 2º semestre de 2018

por Gabriela Canário 17 de Julho de 2018 às 07:22
categoria: Educação

O Ministério da Educação (MEC) abriu nesta segunda-feira, dia 16 as inscrições para 155 mil vagas pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para o segundo semestre de 2018. O prazo se encerra no domingo, dia 22. Todo o procedimento é feito pela internet. 



O programa é voltado para estudantes de Ensino Superior de instituições privadas. Do total, 50 mil vagas são destinadas para pessoas com renda per capita de até três salários mínimos por mês. Nesse caso, o financiamento mínimo é de 50% do curso, com limite semestral de R$ 42 mil. 



As demais vagas são destinadas à modalidade P-Fies, para pessoas com renda per capita familiar de até cinco salários mínimos. Nesse caso, os recursos provem dos Fundos Constitucionais e dos Agentes Operadores de Crédito.



Para participar, o estudante deve ter tirado no mínimo 451 pontos e não pode ter zerado a redação em ao menos uma das últimas sete edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O resultado da seleção será divulgado no dia 27 de julho, em chamada única. Os pré-selecionados deverão completar a inscrição e fechar o contrato de financiamento entre os dias 27 e 31 de julho.

Agência Estado


Estudantes da rede municipal de Juazeiro retornam as aulas nesta terça-feira (10)

por Gabriela Canário 10 de Julho de 2018 às 08:46
categoria: Educação

Os estudantes e educadores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental (1º ao 9º ano), das 134 escolas da rede municipal de ensino de Juazeiro retornam as atividades escolares nesta terça-feira (10), após o recesso junino.

O retorno, após 15 dias de recesso, segue o calendário oficial do ano letivo de 2018, que encerra no dia 19 de dezembro e conta com 200 dias letivos.

Neste segundo semestre, além de novas aprendizagens, os mais de 35 mil estudantes da rede participarão das ações e projetos desenvolvidos pelas unidades escolares, a Secretaria de Educação e Juventude – SEDUC e parceiros. As escolas que desenvolvem os projetos ‘Se Liga’ e ‘Acelera’, em parceria com o Instituto Ayrton Senna, vão trabalhar o primeiro dia de aula, com a 'Acolhida Divertida', uma aula diferente, com programação de oficinas de jogos matemáticos, sessão de cinema, torneio de futebol, jogos variados, oficina de leitura, entre outras atividades.


Fies do segundo semestre vai abrir as inscrições no dia 16

por Gabriela Canário 3 de Julho de 2018 às 08:30
categoria: Educação

A edição do segundo semestre do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) vai abrir inscrições no dia 16 de julho. De acordo com o Ministério da Educação, o prazo para participar termina uma semana depois, no dia 22.

No total, cerca de 150 mil novas vagas devem ser oferecidas, já que a expectativa é que 310 mil novos contratos sejam fechados em 2018.

Entre as outras informações já divulgadas sobre o Fies do segundo semestre está o retorno do limite máximo do valor das mensalidades cobertas pelo fundo. Ele voltará a cursos com mensalidades de até R$ 7 mil, ou R$ 42 mil por semestre.

No primeiro semestre, o limite era de R$ 30 mil, o que permitia que apenas cursos com mensalidade de até R$ 5 mil pudessem participar do financiamento.

Conhecido como "teto da semestralidade", esse limite de R$ 42 mil já existia no antigo modelo do Fies, mas foi reduzido no lançamento do Novo Fies, segundo ele, em nome da "sustentabilidade" do programa.

Do G1