asdasdasdasd

Dia da Mulher: Diretora da TV Grande Rio, Patrícia Coelho homenageia todas as mulheres

por Milena Pacheco 8 de Março de 2018 às 12:29
categoria: Homenagem

O dia hoje começou bem diferente no Sistema Grande Rio de Comunicação. Logo no início da manhã, durante o Programa Nossa Voz, muitas mensagens e prêmios sorteados, em homenagem ao 'Dia Internacional da Mulher'. Em seguida, pelos corredores, chocolates e cartões eram distribuídos a todas as mulheres que fazem o Sistema Grande Rio.

Para coroar o momento, a diretora da TV Grande Rio Patrícia Coelho externou sua emoção, ao falar com carinho, no 'Programa Melhor da Hora' da Grande Rio FM, do que é ser mulher.

"Eu, desde cedo, muito cedo, estou ouvindo muitas rádios, blogs, televisão, e todos fazendo homenagens a mulheres guerreiras, que conquistaram cargos, postos importantes, salários melhores,que andam bem vestidas, de carro, mas na verdade, do fundo do meu coração, não são essas que eu quero homenagear. Eu queria fazer aqui uma lembrança, começando por Madre Teresa de Calcutá. Ela atendeu milhares, mas existem muitas menores Madres Teresas de Calcutá na nossa comunidade. São aquelas mulheres que ajudam os vizinhos, os enfermos dentro da sua família, fora da sua família; as pessoas da rua, do bairro. Eu queria homenagear essas anônimas, que os nomes não aparecem. São as Severinas, as Marias, as Terezas, as Antônias, mas que no fundo são as grandes guerreiras. São anônimas que fazem um trabalho imenso de doação. São voluntárias sensíveis às causas dos outros. Eu queria homenagear as inúmeras mulheres que acompanham seus entes queridos nos leitos dos hospitais. Homenagear as mulheres ambulantes que fazem a diferença quando ajudam com a renda doméstica, as enfermeiras, professoras, que para mim é a profissão mais importante do mundo. Àquelas professoras que ensinam lá na caatinga, em lugares de difícil acesso, mas que não desistem da sua missão. Mulheres que estão enfermas em hospitais, em casa; homenagear as mulheres das paralimpíadas, que com todas as suas deficiências e dificuldades enfrentam as suas adversidades. Eu queria homenagear as meninas, eternas meninas da APAE, que são guerreiras, que não desistem. Todas as voluntárias – da APAE, da Apami, Petrape, enfim, as irmãs de caridade, as freiras, que são mulheres guerreiras que anonimamente ajudam tanta gente. No fundo, eu queria dizer, que eu acho que as grandes guerreiras não somos nós, mulheres que estão em postos mais importantes, de destaque. As grandes guerreiras, grandes mulheres são aquelas que não aparecem. São aquelas milhares que não estão na televisão, nas rádios, revistas, nas mídias. São as pequenas cabeleireiras de bairro, as que fazem comida pra fora, as mulheres dos milhões de desempregados que seguram a onda, para que seus maridos não desmoronem por falta de trabalho; as que seguram filhos doentes, muitas vezes com doenças que não tem cura. São essas que eu queria abraçar hoje, levar um abraço afetuoso dentro do coração de cada uma. E acreditem, vocês é que são as grandes guerreiras. As grandes homenageadas de hoje. As mulheres refugiadas, que fugiram dos seus países na Europa, sem nada na mão, um documento, roupa; e as tantas aqui do Sertão da caatinga, que às vezes são obrigadas a abandonar por conta da seca os seus lugares, seus lares. Que Deus abençoe todas vocês, meu abraço dentro do coração de cada uma de vocês”, disse.