| Última edição: 03/11/21 - 12:21

Home Notícias Indicado ao Grammy Latino, Zé Manoel destaca influência do Vale do São...

Indicado ao Grammy Latino, Zé Manoel destaca influência do Vale do São Francisco na construção do álbum ‘Meu Coração Nu’

Compartilhe:

Músico também fala sobre as expectativas para a premiação que ocorre no dia 18 de novembro, às 22h, em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Zé Manoel com o disco  'Do Meu Coração Nu', indicado ao  Grammy Latino  — Foto: Diana Silva / g1 Petrolina
Zé Manoel com o disco ‘Do Meu Coração Nu’, indicado ao Grammy Latino — Foto: Diana Silva / g1 Petrolina

Nascido em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, o cantor, compositor e instrumentista Zé Manoel vê em sua indicação ao Grammy Latino 2021 algo que contempla uma multidão de pessoas, envolvidas na construção do disco. O pernambucano concorre na categoria melhor álbum de Música Popular Brasileira, com ‘ Do Meu Coração Nu’.

O artista descreve a importância do trabalho, que trata de um tema forte como as questões sociais, além de ressaltar as raízes pertencentes a região onde nasceu, o Vale do São Francisco.

“Esse disco é muito feito por pessoas de todo o Brasil e pessoas de fora do país que também participaram. Mas, o trabalho foi feito muito pelo meu encontro com Luizão Pereira, que é um músico de Juazeiro, e Albérico Júnior, que é daqui de Petrolina. Então, é um disco que representa muito a região de onde eu sou, do Vale do São Francisco”, explica.

Zé Manoel — Foto: Kevin Andrade / Máquina 3 / Divulgação
Zé Manoel — Foto: Kevin Andrade / Máquina 3 / Divulgação

Segunda faixa do álbum, a música ‘No Rio das Lembranças’ (ouça no vídeo abaixo) traz uma marca forte dos trabalhos de Zé Manoel. “Tem uma música do disco que é para Oxum. Todo disco meu sempre tem uma música falando sobre o rio São Francisco, sobre água doce, por conta dessa minha relação com o rio”, diz.

‘Ora Yê Yê Oxum

Eu sou pescador e não sei remar.

Ora Yê Yê Oxum

Se eu me perder, vem me buscar’

Mesmo não morando mais em Petrolina, Zé Manoel sempre visita a cidade natal para rever os parentes e amigos. Esse ciclo reflete nas parcerias geradas para a produção do disco, vivenciadas através dos parceiros Luizão e Albérico. O músico explica que o encontro com os amigos foi essencial para a construção de ‘Meu Coração Nu’.

“Esse encontro meu com Luizão e Albérico, onde nós somos a base do disco, digamos assim, acho que foi a parte principal, porque é um disco que é gerado dentro de nossas referências”.

Abordando questões raciais, o músico mescla sentimentos e vivências compartilhadas por ele e por outras pessoas, trazendo para o cotidiano canções sensíveis e letras marcantes.

“Ao mesmo tempo que estou abrindo meu coração, eu também estou falando de questões que afetam outras pessoas. Esse é um disco que fala sobre questões de violência, mas também fala sobre afeto, tudo com a visão racial, trazendo esse contexto para o meu trabalho”.

Inspirado pela letra da canção ‘Notre Histoire’ (Nossa História), que faz parte do álbum, Zé Manoel teve a ideia de nomear o trabalho de ‘Do Meu Coração Nu’. A letra que inspirou o álbum também faz parte da produção, sendo uma das primeiras a ser gravada para o disco. Já o significado, segundo ele, contextualiza todo o disco que parte da necessidade de falar sobre questões atuais e assuntos que rodeiam não só ele, mas a população como um todo. (Ouça no vídeo abaixo).

“Esse nome ‘Do Meu Coração Nu’, é parte da letra de uma das músicas que está no álbum, que se chama ‘Nossa história’. Ela fala exatamente sobre a história de antepassados que saíram da África e a música pergunta quem são eles. Eu gostaria de saber quem são”.

Nesse misto de afeto e drama com vivências reais, Zé Manoel se prepara para a maior viagem de sua carreira, comparecer à cerimônia do Grammy Latino no dia 18 de novembro, em Las Vegas, nos Estados Unidos.

“Fiquei muito animado. É a minha primeira indicação ao Grammy, então estou bem feliz. Esse é um disco que representa muito a região de onde eu sou, do Vale do São Francisco. Então, eu acho que é acontecimento que contempla a todos nós”, afirma.

Mesmo na corrida para acompanhar o evento, o músico também fala sobre seus projetos para o futuro, que envolvem novos discos e a mesma pegada de sucesso que o levou a indicação da maior premiação da América Latina.

“Eu to compondo para um novo disco. Tem um disco infantil que eu quero lançar também, mas que acabamos deixando para o próximo ano e continuo um pouco com essa mesma temática, abordando muitas questões raciais e sociais”.

Fonte: G1 Globo