asdasdasdasd

Estudantes e professores voltam às ruas em mais de 60 cidades contra bloqueio de verba da Educação

por Milena Pacheco 30 de Maio de 2019 às 16:22
categoria: Nacional

Protestos começaram na manhã e já foram registrados em pelo menos 19 estados e no Distrito Federal; Rio e São Paulo terão atos no fim da tarde

Estudantes, professores e profissionais da Educação voltaram às ruas de todo o país neste 30 de maio em manifestações em defesa da Educação.

Foto: Jorge William / Agência O Globo

De acordo com o G1, até às 15h20 foram registrados atos em ao menos 64 cidades de 19 estados e do Distrito Federal. Esta é a segunda manifestação organizada contra o contingenciamento de recursos para instituições de ensino superior, anunciado pelo governo no fim de abril.

Em algumas cidades, como Caruaru (PE), São Carlos (SP) e Teresina (PI), as paralisações contaram com a adesão de professores em instituições federais. Na Bahia, um ato tomou as ruas do Centro de Salvador logo pela manhã. Professores e estudantes se concentraram por volta das 9h, no Largo do Campo Grande.

Na capital do Maranhão, São Luis, um grupo de estudantes distribuiu panfletos na Avenida dos Portugueses, informando aos motoristas sobre os objetivos do ato. As entradas e saídas da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) foram bloqueadas. Em Pernambuco, O Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) aprovou a paralisação das aulas nesta quinta-feira. Já no campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a decisão ficou a cargo de cada professor.

Brasília

Professores, estudantes e integrantes de movimentos sindicais se reuniram na Esplanada dos Ministérios , na capital federal . A Polícia Militar estimou inicialmente que cerca de 1,5 mil pessoas estavam no local, mas, ao fim do protesto, não deu uma estimativa oficial. A UNE disse que o público participante variou de 15 mil a 20 mil pessoas.

Um princípio de confusão aconteceu quando um homem foi detido pela PM e manifestantes tentaram impedir a ação. De acordo com a polícia, o rapaz estava de máscara, o que não é permitido, e se recusou a se identificar. Os manifestantes afirmam que o homem retirou a máscara assim que foi solicitado. (Fonte: OGlobo/Foto: Jorge William / Agência O Globo)