asdasdasdasd

Morre jovem atacada com ácido sulfúrico pelo ex-companheiro em PE

por Milena Pacheco 26 de Julho de 2019 às 13:40
categoria: Nacional

Mayara Estefanny Araújo, de 19 anos, estava internada desde o crime

Morreu, na noite desta quinta-feira (25), a jovem que foi atacada por ácido sulfúrico pelo ex-companheiro, William César dos Santos Junior, de 30 anos, e por um amigo dele, Paulo Henrique Vieira dos Santos, de 23 anos, no dia 4 de julho no bairro de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife, em Pernambuco. 

Mayara Estefanny Araújo, de 19 anos, estava internada no Hospital da Restauração, no Recife, desde o crime. Segundo parentes, o sepultamento será nesta sexta-feira (26), no município de Limoeiro.

Tentativa de feminicídio 

A delegada responsável pelo caso, Bruna Falcão, entendeu que o ex-marido teve a intenção de matar a jovem contando com a ajuda do amigo e, por isso, os dois foram indiciados por feminicídio, com outras duas qualificadoras: meio cruel e emboscada.

Denúncias da vítima contra o suspeito

Antes de ter ácido sulfúrico atirado contra o seu corpo, a vítima registrou três boletins de ocorrência contra o ex-companheiro. O primeiro, em 13 de maio, quando ela foi física e verbalmente agredida por ele. Na ocasião, foi solicitada uma medida protetiva, mas o acusado não foi localizado e não recebeu a notificação da medida.

Em 23 de maio, ela voltou à delegacia para registrar o segundo boletim de ocorrência. Desta vez, ele havia enviado para a irmã dela um vídeo de conteúdo violento, relacionado ao assassinato de uma mulher e dizendo que não faria isso com ela apenas por ser mãe do filho dele.

O episódio que resultou no terceiro boletim de ocorrência teve início com uma briga entre a vítima e a atual mulher do suspeito. A duas trocaram agressões em uma parada de ônibus. A vítima contou o acontecido para a mãe do suspeito, ele revoltou-se com a atitude dela (em envolver a mãe dele), afirmando que a ex-companheira iria pagar. "A mãe dele respondeu dizendo que se ele fosse fazer algo contra a ex-companheira, teria de fazer contra ela também porque antes de ser mãe dele ela era mulher também e não admitia aquele tipo de violência", detalhou a delegada.

Em 1º de junho, a vítima registrou o terceiro boletim de ocorrência. Apenas em 5 de junho, a notificação de medida protetiva foi entregue ao suspeito. Pai tinha acesso ao filho "Ele insiste na versão de que não é verdade que ele não se conformava com o fim do relacionamento, inclusive alega que havia voltado a viver com a sua esposa e que por isso não havia revolta dele na posição dela de não querer mais se relacionar. Isso tudo tem se desmentido pelas testemunhas que ouvimos. A própria mãe do suspeito foi escutada na unidade policial e disse que o acesso ao filho do casal era permitido pela ex-mulher dele sempre, então essa versão também não se sustenta", explicou a delegada.

Relembre

O crime aconteceu na última quinta-feira (4) no bairro de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife. A mulher subia uma escadaria, para ir à casa da mãe, quando foi abordada pelo suspeito e o comparsa dele. Segundo testemunhas, o casal teve um relacionamento de 4 anos e tem um filho de 2 anos. "Todo mundo que estava na escadaria foi ajudar ela. Botaram água, porque disseram que estava saindo fogo do rosto dela", contou a irmã da vítima. (Fonte: correio24horas/Foto: Reprodução Internet)