asdasdasdasd

FPF completará 103 anos neste sábado

por Mário Souza 12 de Junho de 2018 às 17:17
categoria: Pernambucano

FPF/ Fonte

Na semana de aniversário da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), preparamos uma série de notícias sobre a entidade máxima do futebol pernambucano. Vamos contar a história da instituição, que completará 103 anos neste sábado (16), falar do trabalho que vem sendo realizado pelo atual presidente e muito mais. Nesta segunda-feira (11), vamos falar sobre a criação da entidade. Acompanhe!

Prestes a completar 103 de fundação, o trabalho dos atuais dirigentes da Federação Pernambucana de Futebol está em constante evolução. Fundada no dia 16 de junho de 1915, ainda como Liga Sportiva Pernambucana (LSP), a FPF foi regulamentando, fiscalizando e dirigindo o futebol pernambucano. Na época da sua criação, o Recife entrava na era da eletricidade e muitas coisas estavam mudando, os lampiões a gás que iluminavam a capital pernambucana viraram peças de museu, enquanto os burros que puxavam os bondes pelas belas paisagens e ruas da cidade foram aposentados. Nesse tempo, as pessoas começaram a tomar gosto pelos esportes.

Em 1905, o futebol foi iniciado oficialmente na cidade. E em 1915, o futebol já era um dos esportes mais procurados pela população recifense. A palavra torcida inexistia, então os clubes com mais “simpatizantes” eram o Sport, Náutico, João de Barros (depois América), Santa Cruz, Torre, Flamengo, Centro Sportivo de Peres, Paulista e Casa Forte. A cidade era composta por inúmeros campos espalhados pelos subúrbios, porém os times sempre davam preferência em jogar no Campo do Derby, por ser um local mais espaço e arborizado, tendo sido, inclusive, o local do primeiro jogo de futebol assistido pelo público, no Recife, em 1905.

Ao ver o crescimento do futebol e a necessidade de fundação de uma entidade esportiva para coordenar e disciplinar o esporte, um grupo de jovens do João de Barros resolveu criar a Liga. Eduardo Lemos, líder do grupo na época, convocou todos os outros participantes para uma assembleia geral na casa de Aristheu Accioly Lins, sede do João de Barros. Nesse dia foi lançada a primeira semente do que hoje é a casa dos clubes pernambucanos - a Federação Pernambucana de Futebol.