asdasdasdasd

Acusado de participação em assassinato de PM em Petrolina morre em confronto com a polícia em Sergipe

por Simone Marques 12 de Janeiro de 2018 às 09:39
categoria: Policial

Um homem acusado de participação no assassinato do policial militar Edjemmy Silva Santos, de 33 anos, foi morto durante confronto com a polícia do município de Tobias Barreto (SE), na noite de ontem (10). Paulo Cesar Santos Santana era apontado como  um assaltante de bancos de alta  periculosidade. Contra o mesmo havia, segundo a polícia, vários mandados de prisão em aberto.

De acordo com a Rádio Xodó AM, Paulo Cesar foi encontrado em uma residência no Conjunto Walter Franco, Centro da cidade. Durante a abordagem policial, houve uma intensa troca de tiros. No confronto, Paulo Cesar – que também era era acusado de participar de vários assaltos a agências bancárias nos estados de Tocantins e Bahia – foi alvejado e morreu a caminho de uma unidade de saúde. A ação fez parte de uma operação em conjunto entre as Secretarias de Segurança Pública de Sergipe e da Bahia. Além do assaltante morto em confronto com a PM em Tobias Barreto, oito suspeitos foram presos nas cidades de Itabaianinha (SE) e Adustina (BA).

Vale lembrar que, em agosto de 2017, Rigel Rodrigues da Silva, de 30 anos, outro acusado de participação na morte do soldado Edjemmy, foi detido preso durante uma blitz do 5º Batalhão de Polícia Militar (BPM) no Bairro Mandacaru, zona norte de Petrolina. Contra ele havia um mandado de prisão em aberto.

O policial Edjemmy Silva Santos integrava o grupo de Rondas Ostensivas Com Apoio de Motocicletas (Rocam), do 5º BPM, e foi morto em um bar na avenida principal do Bairro José e Maria, zona norte de Petrolina, na madrugada do dia 1º de março de 2015. Ele foi executado com um tiro na nuca.

Antes de ser assassinado, o PM, segundo a polícia, ele estava no estabelecimento com sua esposa e teria advertido um grupo de homens que estava consumindo drogas no local. Em seguida ele teria deixado sua esposa em casa e voltado para o estabelecimento, momento em que teria iniciado uma discussão com o grupo.

Após a discussão, os suspeitos saíram do local e voltaram logo depois, efetuando o disparo contra a vítima, que morreu na hora. Segundo informações, Rigel foi o segundo a ser preso e ainda tem um foragido.