asdasdasdasd

De forma categórica, FBC critica mais uma vez governo de Pernambuco

por Adriana Rodrigues 1 de Dezembro de 2017 às 19:55
categoria: Política

O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB), que já manifestou o seu desejo em concorrer a vaga de líder maior do Estado, comentou em sua última visita a Petrolina, quinta-feira (30), sobre os rumos da família Coelho, no que diz respeito as eleições 2018. Uma das dúvidas que pairam a cerca de sua saída do PSB para o PMDB, é que sigla os seus filhos, Fernando Filho, deputado federal licenciado e Miguel Coelho, prefeito de Petrolina, irão se filiar.

Fernando Bezerra Coelho (PMDB), informou que o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho que já pediu desfiliação do PSB, tem até março para se filiar a uma nova sigla, já Miguel como não vai concorrer a nenhum cargo em 2018, “não terá pressa para desfiliar”.

O ex-socialista informa ainda que, a questão de migração de partido foi judicializada pelos seus adversários, porém, precisa aguardar o tempo da justiça. Ele acredita que até o final desse ano, o processo seja concluído. De forma categórica, ele afirma que continuará no PMDB. “Eu vou continuar, estarei sempre no PMDB”, enfatizou.

O então peemedebista, explicou como está sendo articulada sua pré-candidatura, já que Pernambuco conta com uma vasta oposição. De acordo com o senador, uma frente política está sendo formada com os opositores do governo. O objetivo é percorrer as cidades do Estado e definir se haverá uma candidatura única, ou se será apresentado mais de um nome para concorrer ao governo do Estado.

Fernando Bezerra Coelho diz estar disposto e muito animado para as eleições do ano que vem. Ele foi enfático ao criticar o atual governo. "As pesquisas mostram a insatisfação da população com o governo de Pernambuco. Porque esse sentimento de mudança está presente em todas as regiões do Estado, e acho que Pernambuco quer acelerar o trabalho, está querendo recuperar os seus empregos, o serviço público de qualidade, dar um basta a essa onda de insegurança e violência, e sobretudo, recuperar sua capacidade de investimento", disparou.