asdasdasdasd

Miguel Coelho rebate Compesa: "Não tem capacidade de reconhecer sua incompetência"

por Adriana Rodrigues 13 de Março de 2018 às 12:40
categoria: Regional

O prefeito de Petrolina Miguel Coelho voltou a criticar a Compesa pelo péssimo serviço que tem prestado à Petrolina. Na oportunidade ele deixou claro, pela primeira vez, que defende uma nova concessão público-privada para a cidade.

O ex-socialista respondeu as declarações do presidente da Compesa Roberto Tavares de que a prefeitura estaria atrapalhando os serviços da empresa, por conta dos R$ 38 milhões liberados pela Caixa Econômica Federal ,que deveriam ser investidos em saneamento nos bairros Dom Avelar e Antônio Cassimiro, mas não estão, por conta do processo jurídico da prefeitura, pedindo uma nova concessão público-privada para a cidade.

Sobre as acusações o prefeito diz que o PSB a nível estadual, “é muito bom em apontar os dedos, mas não tem capacidade de reconhecer sua incompetência”. Ele explica que não foi o processo da nova concessão que atrapalhou, mas a Compesa não tem mais competência para tratar do saneamento de Petrolina e abastecimento de água. “Eles falam dessa insegurança jurídica, mas desde que essa briga voltou à tona, que a Compesa não deixou de arrecadar R$ 1,00 de dinheiro, mesmo quando ela cobra serviço de esgoto que não existe. Esse falatório é desnecessário porque eles não entregam os serviços necessários. O que não dá é para enrolar. A Compesa já enrolou muito”, disparou.

O prefeito de Petrolina lembra que passou quase quatro meses para que o governador e a Compesa respondessem a proposta de Petrolina. “Isso mostra a falta de interesse do Governo do Estado e da própria Compesa. O processo está aberto, para que não fique se escondendo atrás de um acordo de mais de 10 anos ou de 30 anos atrás, por trás de palavras jurídicas de querer o que tem que investir. Queremos acordos transparentes com metas e multas. É ridículo que eu esteja falando em privatização de saneamento. Eu nunca disse que ia municipalizar, disse que ia fazer uma nova concessão ou uma parceria público-privado para que uma nova empresa viesse gerir. O que ele não pode fazer é desvirtuar o debate na nova concessão para se esconder atrás dele, porque quem primeiro privatizou foi o Governo do Estado junto com a Compesa na região metropolitana. Eu não vou entrar no debate de quem privatiza mais, e sim de quem investe mais em Petrolina. Está muito claro que a Compesa não tem, competência, dinheiro e disponibilidade para dar atenção necessária a Petrolina, por isso que abrimos o novo processo para encontrar uma empresa séria, que tenha responsabilidade e que tenha o compromisso de seguir um cronograma”, finalizou.