asdasdasdasd

Profissionais do Hospital Regional de Juazeiro intensificam ações sobre Outubro Rosa

por Milena Pacheco 17 de Outubro de 2019 às 16:19
categoria: Saúde

(Foto: Divulgação)

O mês de outubro é reconhecido pelas iniciativas de conscientização e luta contra o câncer de mama. Pensando na humanização do tratamento e na conscientização da população, o Hospital Regional de Juazeiro, através do setor de Ensino e Pesquisa, Núcleo de Educação Permanente, Comissão de Humanização e Serviço de Oncologia, realizou nesta quarta-feira (16) uma série de atividades direcionadas para o debate sobre o tema e o bem-estar das pacientes durante todo o mês de outubro.

João Araújo, enfermeiro e membro da Comissão de Humanização, destaca que o debate promove a conscientização sobre o câncer mais comum entre as mulheres e alerta para atitudes simples como o autoexame.

“A conversa com os profissionais de saúde e a importância do diagnóstico precoce é de suma importância, por isso, durante o mês de outubro estaremos orientando, esclarecendo dúvidas e apoiando o Outubro Rosa”.

Ação do HRJ contou com a participação de Lincoln Rocha Ferreira, coordenador da unidade móvel (carreta de prevenção) do Hospital de Amor (vinculado ao instituído Ivete Sangalo, abordando sobre o câncer de mama, importância das consultas periódicas e mamografia, e ainda foram citadas as ações que desenvolvidas no Hospital de Amor, em Barretos.

‘Outubro Rosa’ – O nome é referente ao laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra a doença. A mobilização começou nos Estados Unidos no começo da década de 90, com algumas ações isoladas. Logo depois, o Congresso Americano aprovou uma lei que torna outubro o mês nacional – nos Estados Unidos – de prevenção ao câncer de mama.

Atualmente, a ação acontece em várias cidades ao redor do mundo e são direcionadas à conscientização das mulheres quanto à importância do diagnóstico precoce. A trajetória durante o tratamento exige esforço e dedicação física das pacientes e também das famílias. O câncer de mama é o tipo mais comum em mulheres do Brasil e do mundo, mas com grande chance de cura se detectado no início. (Ascom/ HRJ)


Dia mundial chama atenção para o estigma da obesidade

por Milena Pacheco 11 de Outubro de 2019 às 10:26
categoria: Saúde

O dia 11 de outubro é a data em que se celebra o Dia Mundial da Obesidade, e na campanha deste ano, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e a Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica trazem a mensagem sobre a importância do combate à discriminação por causa do peso e de tratar o assunto com respeito."Obesidade Eu Trato com Respeito", é o tema da campanha.

“É fundamental aumentar a conscientização sobre prevalência, gravidade e diversidade do estigma do peso. Os retratos da obesidade na mídia frequentemente reforçam estereótipos imprecisos e negativos sobre as pessoas obesas, o que pode levar ao estigma do peso. As campanhas pedem uma movimentação para acabar com o uso de linguagem e imagens estigmatizantes e retratar a obesidade de maneira justa, precisa e informativa”, dizem as entidades.

Além de reduzir a qualidade de vida, a obesidade é fator de risco e agravante de doenças como diabetes, doenças cardiovasculares, asma, gordura no fígado e até alguns tipos de câncer. O tratamento deve ser contínuo e acompanhado por profissionais capacitados para que o quadro não piore com o passar dos anos.

A data foi proclamada em 2015 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para apoiar soluções que ajudem as pessoas a alcançar e manter um peso saudável e estimular políticas de combate a esse problema de saúde pública. Cerca de 13% da população adulta do mundo é obesa. No Brasil, mais da metade dos brasileiros, 55,7%, estão com excesso de peso e a prevalência da obesidade é de 19,8%. (Fonte: Agência Brasil)


Pernambuco tem a primeira morte de 2019 por chikungunya

por Milena Pacheco 11 de Outubro de 2019 às 09:22
categoria: Saúde

(Foto: reprodução)

Um idoso de 83 anos, morador do Recife, foi a primeira vítima de Pernambuco que morreu por chikungunya em 2019. Essa foi a segunda morte por arbovirose na capital e a quinta em todo o estado neste ano.

Neste ano, foram registradas 100 mortes suspeitas de ter relação com arboviroses, contra 78 no mesmo período de 2018. Do total deste ano, 52 foram descartadas. As outras estão sob investigação.

O boletim da Secretaria de Saúde do estado aponta que foram registrados 63.551 casos suspeitos de dengue, zika e chikungunya, neste ano. No mesmo período de 2018, eram 24.294 casos, o que representa um aumento de 161,6% no número de notificações.

Até o dia 5 de outubro, foram 53.168 notificações para dengue, com 15.823 confirmações, e 7.042 casos suspeitos de chikungunya, com 563 exames positivos. Além disso, foram registrados 3.341 suspeitas de zika, com 98 confirmações. (Fonte: G1 PE)


Sobem para 37 os casos confirmados de sarampo em Pernambuco

por Milena Pacheco 9 de Outubro de 2019 às 12:02
categoria: Saúde

De acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde nesta quarta-feira (9), até o dia 28 de setembro, foram notificados em Pernambuco 799 casos suspeitos de sarampo. Desses, 37 foram confirmados, 284 descartados e os demais estão em investigação. Até o útimo dia 4, mais de 507 mil pessoas foram vacinadas com a tríplice viral em Pernambuco, sendo 215 mil doses em crianças de 6 meses a 4 anos. Até o momento, Pernambuco já conseguiu uma cobertura de 98% na primeira dose da tríplice viral nas crianças com 1 ano. Na segunda dose, que deve ser feita três meses após a primeira, está em 74,5%.

"Todos os casos confirmados até o momento são antigos. Tratam-se de pessoas que adoeceram entre os meses de julho e agosto. Todas as medidas para tratar os pacientes e fazer a investigação e bloqueio de novos casos são implementadas logo após a notificação. Ou seja, independente do resultado laboratorial, aquela suspeita é tratada como se fosse um caso confirmado, agilizando as atividades para evitar que o doente possa ter sequelas ou vir a óbito e atuando para evitar novos adoecimentos relacionados. ", afirma o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Campanha

Segue até o próximo dia 25 a campanha de vacinação contra o sarampo, voltada para crianças entre 6 meses e 4 anos que ainda não iniciaram ou não finalizaram o esquema vacinal. O Dia D está marcado para 19 de outubro.

"Os meninos e meninas dessa faixa etária que já estão com a caderneta de vacinação em dia não precisam comparecer aos postos de saúde. Mas, na dúvida, o importante é que os pais compareçam aos postos com seus filhos para que a caderneta seja analisada por um profissional e a criança fique protegida também contra outras doenças além do sarampo", destaca André Longo.

Toda criança entre 6 meses e 11 meses deve ser vacinada com a tríplice viral, considerada a "dose zero". Uma nova dose deve ser feita aos 12 meses e outra aos 15 meses, quando o esquema é finalizado. A partir dos 2 anos, caso o menino ou menina ainda não tenha começado o esquema vacinal, as duas doses devem ser feitas com um intervalo de um mês entre elas.

"Distribuímos vacinas para que os municípios possam imunizar sua população de crianças. É importante convocarmos os pais e responsáveis para levarem os meninos e meninas aos postos de saúde e também mobilizarmos os gestores municipais para realizar ações para chegar mais próximo do público. Manter os pernambucanos livres do sarampo precisa do esforço de todos", frisa a superintendente de Imunização da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Ana Catarina de Melo.

A superintendente lembra, ainda, que, apesar do Estado já ter atingido a meta mínima de vacinação da 1º dose da tríplice viral em crianças de 12 meses, o índice não foi atingido no conjunto de municípios da I e VIII Gerências Regionais de Saúde (Geres), com sede, respectivamente no Recife e em Petrolina. "Essas são áreas populosas e que contam com grande circulação de turistas o tempo todo. Por isso a importância de intensificar as ações e fazer busca ativa para evitar bolsões de crianças desprotegidas", pontua Ana Catarina.  "Também precisamos lembrar da importância da segunda dose, já que, até o momento, só as Geres de Palmares e Salgueiro conseguiram atingir a meta mínima de 95%", finaliza. (Fonte: Diario de Pernambuco)

Municípios com casos confirmados de sarampo:

Santa Cruz do Capibaribe (3)

Jaboatão dos Guararapes (1)

Taquaritinga do Norte (14)

Frei Miguelinho (1)

Vertentes (5)

Toritama (3)

Bezerros (1)

Caruaru (6)

Recife (3)


Campanha nacional contra o sarampo começa nesta segunda-feira

por Milena Pacheco 7 de Outubro de 2019 às 09:35
categoria: Saúde

A meta do Ministério da Saúde é vacinar 2,6 milhões de crianças

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo começa hoje (7) em todos os postos de saúde do país. Dois grupos de pessoas estão no alvo da nova campanha. O primeiro grupo é formado por crianças de seis meses até menores de 5 anos, cuja a vacinação vai desta segunda-feira até 25 de outubro, com o Dia D no dia 19.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O segundo grupo, com faixa etária de 20 a 29 anos e que não estão com a caderneta de imunização em dia, a vacinação está prevista para iniciar no dia 18 de novembro. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 2,6 milhões de crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos. Para isso, a pasta garantiu a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos 10 anos. Ao todo, 60,2 milhões de doses da tríplice viral foram adquiridas para garantir o combate à doença nos municípios.

Dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Sarampo. 

Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo tem como meta vacinar 2,6 milhões de crianças. 

“Vacina é um direito da criança. Ela não consegue ir sozinha a uma unidade de saúde para se vacinar. Pais, responsáveis, avós chequem a carteira de vacinação como ato de respeito e de amor”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “Se estiver incompleta, leve a criança para tomar a segunda dose. Se a criança não tiver tomado nenhuma, ela deve tomar a primeira dose e, na sequência, a segunda”, explicou o ministro.

Para incentivar a vacinação de crianças, o ministério disponibilizará R$ 206 milhões destinados aos municípios que cumprirem duas metas estabelecidas pelo ministério. “Para receber esse recurso adicional, os gestores terão que informar mensalmente o estoque das vacinas poliomielite, tríplice viral e pentavalente e atingir 95% de cobertura vacinal contra o sarampo em crianças de 1 a 5 anos de idade com a primeira dose da vacina tríplice viral”.

Desde o início do ano, a pasta distribuiu 25,5 milhões de doses da vacina tríplice viral para garantir a todos os estados a vacinação de rotina, as ações de interrupção da transmissão do vírus e a dose extra chamada de dose zero a todas as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias.

Vacinar contra o sarampo é importante para evitar complicações como cegueira e infecções generalizadas que podem levar a óbito. Por isso, o governo federal em parceria com os estados e municípios estão unindo esforços para vacinar 39,9 milhões de brasileiros, 20% da população, que hoje estão suscetíveis ao vírus do sarampo, de acordo com o Ministério da Saúde. Apesar da faixa etária de 20 a 29 anos concentrar a maior parte desses brasileiros (35%), são os menores de 5 anos o grupo mais suscetível para complicações do sarampo.

Dados 

No levantemtno divulgado até o dia 28 de agosto, o Brasil registrou 5.404 casos confirmados de sarampo e seis mortes, sendo quatro delas de pacientes menores de 1 ano. Dos casos confirmados nesse período, 97% (5.228) estão concentrados em 173 municípios do estado de São Paulo, principalmente na região metropolitana. Os outros 176 casos foram registrados em 18 estados: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Maranhão, Paraná, Piauí, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Pará Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Goiás, Bahia, Sergipe e Distrito Federal. (Fonte: Agência Brasil)


Hemope estimula doação de medula óssea em vida e comemora aumento de 12%

por Milena Pacheco 26 de Setembro de 2019 às 14:59
categoria: Saúde

(Foto: reprodução)

Nesta sexta-feira (27) é comemorado o Dia Nacional De Doação de Órgãos e Tecidos. Órgãos sólidos como fígado, rim, coração e pâncreas, além de córnea (tecido), podem ser doados após a morte. Em vida, esse ato pode ser efetivado com parte do rim, fígado e pulmão, além da medula óssea. Pra isso, a pessoa interessada em doar deve ir ao Hemope para fazer seu cadastro e coleta de uma amostra de sangue, para a realização dos exames de compatibilidade. Com isso, é possível ajudar alguém de qualquer lugar do Brasil e do mundo.

Neste mês, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) tem reforçado a importância desse ato e solicitado à população cadastrada que faça a atualização dos seus dados pessoais no sistema, para dar mais agilidade no contato e na localização do potencial doador. Em Pernambuco, o cadastro do doador de medula óssea é feito nas unidades do Hemope do Recife, Caruaru, Garanhuns, Serra Talhada, Arcoverde, Ouricuri e Petrolina.

Para ser um doador, o interessado, que deve ter entre 18 e 55 anos, participa de uma palestra sobre o assunto e assina um termo de consentimento, além de preencher uma ficha com informações pessoais. Na ocasião, será retirada uma pequena quantidade de sangue, que será analisado em laboratório para identificar características genéticas que vão ser cruzadas com dados de pacientes que necessitam de transplantes, sendo possível determinar uma possível compatibilidade.

“Dependendo do tipo de procedimento utilizado para a doação da medula óssea, o doador retoma suas atividades normais em cerca de 1 semana. Antes da doação, são realizados diversos exames para comprovar que o doador está bem de saúde e apto para esse ato de solidariedade. Além disso, em cerca de duas semanas as células-tronco hematopoéticas estarão reestabelecidas no organismo”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.

As informações do potencial doador ficam armazenadas no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome). Para verificar a necessidade de atualização das informações, como telefone e endereço, o doador já cadastrado deve acessar o site redome.inca.gov.br. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) vem chamado a atenção do público para a importância de atualizar os dados para dar agilidade na localização do doador. Neste ano, entre janeiro e agosto, em Pernambuco, já foram realizados 165 transplantes medula óssea. Isso significa um aumento de 12% em relação a 2018 (147 transplantes). Atualmente, 31 pessoas estão em fila de espera pelo tecido.

Em celebração ao Dia Nacional e ao Setembro Verde, mês de conscientização sobre a doação de órgãos e tecidos, o Hemope Recife, no bairro das Graças, fará uma ação de cadastro de doadores neste sábado (28.09), das 8h às 14h. De rotina, o cadastro funciona de segunda a sexta, das 8h às 16h. Mais informações pelo 0800.081.1535.

Balanço

Em Pernambuco, entre janeiro e agosto, 1.082 pessoas foram transplantadas, quantitativo 5% menor do que o mesmo período de 2018 (1.139). Entre os órgãos sólidos, houve uma diminuição de 20% nos transplantes de rim (255 em 2019 contra 319 no mesmo período de 2018). Esse é o órgão com a maior fila do Estado, totalizando 1.029 pessoas.

Em 2018, o Estado ficou em primeiro lugar no Norte Nordeste nesse tipo de procedimento e em 2º no país em transplantes de rim por milhão de habitantes. O ano de 2018 também foi o com o maior número de transplantes de rim de Pernambuco (463).

De acordo com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), Pernambuco ficou, em 2018, em 1º lugar no Norte e Nordeste no número de procedimentos de rim, coração, pâncreas e medula óssea. “Além de números, isso mostra a excelência dos serviços prestados no Estado, beneficiando pernambucanos e, como o Sistema Único de Saúde (SUS) não tem barreiras, pacientes de diversas regiões do país”, reforça o secretário André Longo.

Atualmente, há 1.029 pessoas em fila de espera por um rim em Pernambuco, 190 por córnea, 95 fígado, 31 medula óssea, 12 rim/pâncreas e 8 coração. (Fonte: Blog Nossa Voz)


Pernambuco atinge meta da 1º dose da vacinação para público com 1 ano contra sarampo

por Milena Pacheco 26 de Setembro de 2019 às 11:47
categoria: Saúde

De acordo com informações divulgadas pela Secretaria de Saúde de Pernambuco, até a última sexta-feira (20), foram notificadas 698 suspeitas de sarampo em Pernambuco, com 202 descartes e 474 em investigação. Deste total, 22 casos foram confirmados. No entanto, essas novas ocorrências são relativas ao período de julho e início de agosto.

(Foto: Agência Brasil)

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) ainda informa que, desde a primeira notificação, vem realizando, em parceria com os municípios, o reforço das ações de vigilância para fazer a investigação e bloqueio de casos. A SES-PE ressalta que o Estado está abastecido da vacina tríplice viral, que, além do sarampo protege contra caxumba e rubéola. Apenas entre agosto e setembro deste ano, foram aplicadas 230.877 doses da vacina. Este número, alcançado em menos de dois meses, representa um aumento de 21% em comparação aos primeiros sete meses do ano, quando foram aplicadas 190.228 doses. Ou seja, entre janeiro e setembro foram mais de 421 mil doses aplicadas. 

Especificamente na região da IV Gerência Regional de Saúde (Geres), que engloba 32 municípios do Agreste e que concentra o maior número de casos confirmados da doença (19 casos), a SES-PE, em parceria com os municípios, além das ações de vigilância, realizou dois Dia “D” para convocar a população a comparecer aos postos de saúde para a imunização. Apenas entre agosto e setembro, houve um aumento de 44,8% no número de pessoas imunizadas (44.768 vacinados) quando comparado com os sete primeiros meses do ano (30.909 vacinados). Isso significa mais de 75,6 mil pessoas protegidas nessa região entre janeiro e setembro. 

Graças a essa força-tarefa na vacinação, o Estado já atingiu uma cobertura vacinal de 95,8% da tríplice viral do público com 1 ano, população que tem mais risco para agravamento da doença. Já analisando os dados da IV Geres, a cobertura está em 111,4%.

“O Estado e os municípios pernambucanos têm seguido as recomendações do Ministério da Saúde para priorizar a vacinação das crianças, que podem apresentar quadros mais graves quando adoecem pelo sarampo. O esforço de convocar a população a ir aos postos de saúde, além das ações nas comunidades e do Dia D, tem surtido efeito, alcançando percentuais de vacinação considerados ótimos pelas organizações internacionais de saúde. Agora, precisamos lembrar aos pais e responsáveis que, após três meses da primeira vacinação, é indispensável levar as crianças com 1 ano para receber a segunda dose, deixando-as, assim, devidamente protegida contra o sarampo. Além disso, ratificamos a importância da dose zero para o público entre 6 meses e 11 meses, que precisa, a partir dos 12 meses, seguir normalmente o calendário básico”, afirma o secretário estadual de Saúde, André Longo. Importante lembrar que a vacinação para essa faixa etária foi instituída no Brasil na segunda quinzena de agosto.

O secretário André Longo ainda afirma que as ações implementadas pelo Estado e pelos municípios contra o sarampo têm surtido efeito e que a gestão pública continua trabalhando intensamente para evitar a ocorrência de novos casos. “Há casos de sarampo em diversos Estados brasileiros e em outros países de diversos continentes. Com a circulação de pessoas, é possível que um doente de fora chegue ao nosso Estado. Mas se nossa população estiver vacinada, diminuímos drasticamente o risco de adoecimento do público local. Ratificamos que a vacina é gratuita, segura e a maneira mais eficaz dos pernambucanos ficarem protegidos contra o sarampo”, frisa Longo. (Fonte: Blog Nossa Voz)


Inca convoca doadores de medula óssea para atualizar dados cadastrais

por Milena Pacheco 25 de Setembro de 2019 às 12:05
categoria: Saúde

Doadores de medula óssea cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) estão sendo convocados pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) para atualizar seu cadastro. “As pessoas mudam de endereço, de telefone, e é comum não lembrarem de atualizar os dados no Redome”, disse hoje (24) o diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca (Cemo), Décio Lerner.

Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil

 

A campanha pela atualização das informações no Redome vale para doadores de todo o Brasil. A atualização dos dados permite que o doador seja localizado com maior agilidade em caso de compatibilidade com algum paciente.

Transplantes

O banco de doadores é reservado para quem não tem doador na família - Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil

Décio Lerner destacou a importância da doação, “porque isso pode salvar a vida de alguma pessoa que não teria outra chance de cura”.

Criado em 1993, o Redome é, atualmente, o terceiro maior registro do mundo, com mais de 4 milhões de doadores cadastrados, segundo Décio Lerner, ficando atrás somente dos Estados Unidos e Alemanha.

Compatibilidade

O Cemo faz, em média, 90 transplantes de medula óssea por ano, todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Lerner informou que o banco de doadores de medula óssea é utilizado para quem não tem doador na família. No Redome, pode ser encontrado um doador totalmente compatível ou quase totalmente compatível.

Dependendo do tipo de doença, como no caso de leucemias avançadas, não faz diferença se o doador é totalmente compatível ou quase totalmente compatível, ressaltou o especialista.

Para outros casos, entretanto, a preferência é por doadores 100% compatíveis. Doenças benignas, como aplasia de medula (rara doença hematológica caracterizada pela produção insuficiente de células sanguíneas na medula óssea) e imunodeficiência (grupo de doenças caracterizadas por um ou mais defeitos do sistema imunológico), estão nesse caso.

O diretor do Cemo lembrou que a atualização dos dados dos doadores de medula óssea pode ser feita no site do Redome. Não foi definido prazo para isso, mas o Inca apela para a conscientização dos doadores no sentido de providenciarem a atualização cadastral o mais rápido possível. (Fonte: Agência Brasil)


Sesc Petrolina participa da Semana Move

por Milena Pacheco 25 de Setembro de 2019 às 09:16
categoria: Saúde

Programação conta com recreação esportiva para estudantes e a Copa Sesc de Futsal

De acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde, o sedentarismo está presente em 23% dos adultos e em 81% dos jovens. Para reverter esse cenário, o Sesc Petrolina participa de 25 a 27 de setembro da Semana Latino-Americana de Esporte e Atividade Física. A Semana Move tem o objetivo de conscientizar sobre a importância de praticar atividade física regularmente. A ação é realizada no mês de setembro em países da América Latina, por organizações, escolas e clubes, que promovem atividades para pessoas de diversas idades.

A abertura da programação em Petrolina será nesta quarta-feira (25/09) com um circuito recreativo realizado com os alunos do 2º ano do Ensino Fundamental do Sesc no turno da tarde. Na quinta-feira (26/9), também haverá circuito recreativo com os estudantes do 3º ano. A programação continua na sexta-feira (27/9), com atividades para os estudantes do 4º ano do Ensino Fundamental.  No mesmo dia, das 17h30 às 21h, no ginásio de esportes, será realizada a Copa Sesc de Futsal, que vai reunir estudantes de 7 a 11 anos de escolas da cidade.

Sesc - O Serviço Social do Comércio (Sesc) foi criado em 1946. Em Pernambuco, iniciou suas atividades em 1947. Oferece para os funcionários do comércio de bens, serviços e turismo, bem como para o público geral, a preços módicos ou gratuitamente, atividades nas áreas de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social. Atualmente, existem 20 unidades do Sesc do Litoral ao Sertão do estado, incluindo dois hotéis, em Garanhuns e Triunfo. Essas unidades dispõem de escolas, equipamentos culturais (como teatros e galerias de arte), restaurantes, academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros espaços e projetos. Para conhecer cada unidade, os projetos ou acessar a programação do mês do Sesc em Pernambuco, basta acessar www.sescpe.org.br.

Serviço – Semana Move 2019

Data: 25 a 27 de setembro

Local: Sesc Petrolina (R. Pacífico da Luz, 618 – Centro)

Informações: (87) 3866-7474


Bahia é 8º no ranking de doação de órgãos

por Milena Pacheco 23 de Setembro de 2019 às 10:43
categoria: Saúde

Com redução de 75% para 55% em negativa familiar para doações, nos últimos dois anos, e aumento de 13,39% no número de transplantes realizados, quando comparados o primeiro semestre de 2018 e o de 2019, a Bahia avança na meta de redução das filas. Atualmente, o estado ocupa o oitavo lugar no ranking nacional de transplante e doação.

O avanço estatístico geral é resultado, sobretudo, do incremento de 64,7% em transplantes de rins e 15,6% nos transplantes de córneas, quando comparados os dois semestres. Ao longo do ano passado, foram registradas 133 doações de múltiplos órgãos e 518 doações de córnea; e foram feitos 49 transplantes de fígado, 206 de rim e 514 de córnea.

A coordenadora do Sistema Estadual de Transplantes, Rita Pedrosa, explica que o direcionamento dos órgãos doados considera a fila de espera, mas é determinada pela conjugação de uma série de fatores.

No caso dos rins, por exemplo, há necessidade de uma compatibilidade imunológica entre doador e receptor, o que é indicado pelo HLA (antígeno leucocitário humano), então esse é o fator fundamental. Quando o fígado é o órgão em questão, Pedrosa esclarece que a gravidade da patologia do receptor é o elemento decisivo. Já para o coração, a compatibilidade em altura, peso e outros aspectos físicos é o mais relevante.

A coordenadora considera que a principal motivação para a negativa das famílias é a falta de conhecimento sobre o processo de doação e sobre a legislação brasileira, que afirma ser uma das mais rigorosas do mundo. Ela conta que, enquanto nos Estados Unidos basta um exame clínico para atestar a morte encefálica, no Brasil o protocolo exige a realização de dois exames clínicos e ainda um exame complementar, a exemplo do eletroencefalograma.

Pedrosa atribui a redução da negativa em 20% ao trabalho que tem sido realizado nas cidades do interior, com treinamento das equipes multidisciplinares dos hospitais e também dos agentes comunitários da atenção básica. Ela defende que a abordagem do tema precisa ir além da área de saúde, chegando às escolas, por exemplo. “O assunto devia ser inserido nas atividades curriculares a partir do ensino fundamental, mostrando os órgãos, levando transplantados para dar depoimento, tudo usando uma linguagem para a criança”, recomenda.

“Famílias que conversam sobre o tema antes são sete vezes mais propensas a doar os órgãos dos seus entes”, ressalta Pedrosa. Por isso, ela incentiva que a sociedade em geral fale sobre o tema, principalmente aqueles que querem fazer a doação de órgãos após a morte. Pedrosa pondera que como o tempo entre a constatação da morte encefálica e a deterioração dos órgãos é curta, muitas famílias acabam decidindo pela doação quando esse prazo já terminou.

Mesmo tão jovem, a filha da contadora Solange Alves, 52 anos, já tinha expressado o desejo de doar seus órgãos. Em junho de 2017, quando Alexia foi vítima de um acidente, aos 24, Solange não teve dúvidas quanto a autorizar a doação de todos os órgãos que fossem possíveis e também de pele. Mesmo o fato de a filha ter falecido em Natal (RN) não fez Solange hesitar sobre a decisão. Ela também se declara doadora e diz que já conversou com a família sobre o assunto.

Medula

Atualmente, a Bahia tem 178.932 pessoas cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome). O volume é considerado bom pelo responsável pelo setor de transplante de medula do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hupes), Marco Aurélio Salvino. Ligado à Universidade Federal da Bahia, o Hupes é a única unidade pública baiana a realizar o procedimento. Salvino considera que o gargalo atual, em todo o País, para que os transplantes de medula aconteçam de forma mais rápida é a quantidade reduzida de unidades habilitadas para essa cirurgia.

O médico diz que raramente alguém cadastrado desiste da doação, mas é relativamente comum que a pessoa não seja encontrada nos contatos e endereço cadastrados. Ele recomenda que quem se cadastrou atualize os dados no site do Redome (redome.inca.gov.br). De acordo com a Fundação Hemoba, para se cadastrar no Redome é preciso ter entre 18 e 55 anos e gozar de boa saúde. O cadastro é feito com o fornecimento de dados pessoais e a coleta de 5 ml de sangue.

Setembro Verde promove ações de conscientização

Atualmente, na Bahia, 1.005 pessoas esperam por um rim; 639, por córneas; e seis, por um fígado. Em agosto de 2017, o músico Jean Batista, 46, era candidato a entrar na fila de espera, mas os transplantes de coração não estavam sendo realizados no estado, então ele foi para Recife.

Ele tinha 37 anos quando recebeu o diagnóstico de uma doença congênita no coração, no entanto os impactos à sua saúde só começaram a surgir alguns anos depois. Jean desenvolveu um quadro de inchaço no coração, levando o órgão a perder força progressivamente. Após ser internado numa UTI particular de Salvador, ele foi levado para uma unidade intensiva em Recife, onde ainda teve de esperar a recuperação dos pulmões, afetados pela deficiência no bombeamento do sangue, para entrar na fila de transplantes.

Após quatro paradas cardíacas e início de falência renal, ele recebeu o coração de um homem que morreu num acidente. Jean ainda teve de passar três meses em Recife, dois deles já fora do hospital, aguardando a conclusão da sequência de três biópsias necessárias para verificar a ocorrência de rejeição.

Ele conta que a primeira biópsia apontou rejeição, mas o tratamento medicamentoso conseguiu reverter o quadro e as duas seguintes foram normais. Atualmente, ele faz acompanhamento no Hospital Ana Nery, unidade referência de transplante de coração na Bahia, onde retira os medicamentos imunossupressores que precisa tomar.

Setembro Verde

O Setembro Verde tem seu ponto central no dia 27, quando é celebrado o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos, mas ações para conscientização e incentivo à prática são realizadas desde o início do mês.

O Sistema Estadual de Transplante, da Secretaria da Saúde do Estado, tem promovido feiras de saúde e montado estandes de orientação sobre a doação de órgãos e a prevenção de doenças que podem indicar um transplante. Também estão sendo feitos seminários para profissionais da área de saúde e instalados pontos de distribuição de material informativo, além de caminhadas em vias públicas e passeio de bicicleta.

As atividades finais do Setembro Verde em Salvador acontecem nos dias 27, 28 e 29 com a montagem de estande informativo na Praça da Piedade, Dique do Tororó e Farol da Barra, respectivamente. As ações são realizadas em parceria com Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Bahia (Oceb) e a Associação Renal de Salvador. (Fonte: atarde)