asdasdasdasd

Obesidade volta a crescer no país e atinge maior índice em 13 anos

por Milena Pacheco 26 de Julho de 2019 às 13:53
categoria: Saúde

O alerta é do Vigitel, pesquisa do Ministério da Saúde que investiga hábitos de vida e fatores de risco de doenças crônicas, problema que hoje representa um dos principais impactos no SUS. 

Os dados mostram que, em 2018, 19,8% dos entrevistados estavam obesos. Embora já apresentasse aumento desde 2006, nos últimos três anos, esse índice estava estagnado em 18,9%. Agora, voltou a crescer, aumentando a preocupação sobre o risco de doenças ligadas à obesidade, como hipertensão e diabetes. Outro alerta é com o índice de brasileiros com excesso de peso, que tem aumentado nos últimos anos. Hoje, 55,7% da população está dentro desse patamar.

(Foto: Reprodução)

O cálculo das categorias é feito por meio das informações de peso e altura, usadas para verificar o IMC (índice de massa corporal, que é o peso dividido pela altura ao quadrado). Se igual ou acima de 25 kg/m², há excesso de peso. Para 30 kg/m², obesidade. A pesquisa mostra ainda que o crescimento da obesidade tem sido maior entre adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos -grupos que apresentaram aumento de 84,2% e 81,1%, respectivamente. 

Em 2018, o índice de obesidade foi pouco maior entre as mulheres em relação aos homens: 20,7% de mulheres, contra 18,7% de homens. Ao todo, a pesquisa ouviu 52.395 pessoas acima de 18 anos em todas as capitais do país e no Distrito Federal entre fevereiro e dezembro de 2018.

Nem tudo, porém, é má notícia. Segundo a pesquisa, o índice de brasileiros que afirmam consumir frutas e verduras e fazer atividades físicas vêm crescendo. Mas ainda não o suficiente para deter o avanço da obesidade.

Um exemplo desse pontapé em uma mudança de hábitos é que, em 2008, 20% dos adultos consumiam regularmente frutas e verduras. Em 2018, esse índice passou para 23,1%. “É um número ainda baixo, mas há tendência de aumento. Precisamos aumentar informações e campanhas para que a população adote mais esses hábitos”, disse o secretário de vigilância em saúde do ministério, Wanderson Oliveira.

Outro sinal de mudança na alimentação é que o consumo de bebidas açucaradas, como refrigerantes, caiu 53,4%. Já a prática de atividade física cresceu 23,7%. (Fonte: Bahia Notícias)


CTA de Petrolina realiza testes rápidos de hepatites nesta sexta (26)

por Milena Pacheco 24 de Julho de 2019 às 16:52
categoria: Saúde

No período de 2017 a 2019, Petrolina notificou 115 casos de hepatites B e C. Este ano já foram contabilizados oito casos do tipo B e três notificações para a hepatite C. Para conscientizar sobre a importância da prevenção da doença no Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a Prefeitura de Petrolina promove uma programação especial.

Foto: Reprodução

Nesta sexta-feira (26), a partir das 8h, no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), que funciona ao lado da Secretaria de Saúde, serão feitos testes rápidos para detecção da doença. “O teste rápido é uma forma de triagem e caso o resultado seja reagente são necessárias a realização de outros exames, após a confirmação o paciente é direcionado para o tratamento ofertado gratuitamente”, explicou a secretária executiva de Vigilância em Saúde, Marlene Leandro.

Sobre a Hepatite

A doença pode ser provocada por diversos vírus hepatotrópicos, ou seja, vírus que tem afinidade pelo fígado e apresentam características de importância epidemiológica, clínica e laboratorial diferentes, é de notificação compulsória e pode se manifestar de forma sintomática ou assintomática. Do ponto de vista epidemiológico os mais relevantes são os vírus A, B, C, D e E.

Os tipos A e E são de transmissão via fecal-oral e estão relacionados à higiene pessoal e qualidade da água e alimentos. Os tipos B, C e D são de transmissão pelo sangue e sexual. Para a hepatite C, a contaminação pode ocorrer pelo compartilhamento de objetos.(Fonte: Blog Nossa Voz)


ERRATA: Número de pacientes com hepatite cai 7% em 10 anos no Brasil

por Milena Pacheco 22 de Julho de 2019 às 10:32
categoria: Saúde

O número de pacientes notificados com casos de hepatites virais no Brasil caiu 7% entre 2008 e 2018, de acordo com o Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais 2019 divulgado hoje (22) pelo Ministério da Saúde. Em 2008, foram registrados 45.410 casos. Dez anos depois, o número passou para 42.383 casos.

O levantamento aponta ainda queda de 9% no total de mortes causadas pela doença no país, saindo de 2.362 óbitos em 2007 para 2.156 em 2017. 

Foto: EBC

A hepatite é a inflamação do fígado. Ela pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

De acordo com o Ministério da Saúde, são doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia.

Tipo de hepatite

De 2000 a 2017, foram identificados no Brasil, segundo o boletim, 70.671 óbitos por causas básicas e associadas às hepatites virais dos tipos A, B, C e D. Desses, 1,6% foi associado à hepatite viral A; 21,3% à hepatite B; 76% à hepatite C e 1,1% à hepatite D.

O boletim mostra que o tipo C da doença, além de ser o mais letal, é o mais prevalente. Ao todo, 26.167 casos foram notificados em 2018.

A doença é transmitida por sangue contaminado, sexo desprotegido e compartilhamento de objetos cortantes.

O maior número de pessoas com hepatite C se concentra em pessoas acima dos 40 anos. A hepatite C nem sempre apresenta sintomas.

Por isso, o Ministério da Saúde estima que, atualmente, mais de 500 mil pessoas convivam com o vírus C da hepatite e ainda não sabem.

Foram notificados ainda 2.149 casos de hepatite A no Brasil. A transmissão mais comum desse tipo da doença é pela água e alimentos contaminados. O tratamento geralmente evolui para cura.   

Também foram registrados 13.992 casos de hepatite B, que pode ser transmitida pelo contato com sangue contaminado, sexo desprotegido, compartilhamento de objetos cortantes e de uso pessoal e pode também ser transmitida de mãe para filho.

Já a hepatite D foi registrada em 145 pacientes. A infecção ocorre quando a pessoa já contraiu o vírus tipo B.

Os sintomas da hepatite D são silenciosos e a doença é combatida por meio da vacina contra a hepatite B que também protege contra a D.

Combate

Nas vésperas do Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, dia 28 de julho, o Ministério da Saúde alerta para a importância do diagnóstico e tratamento da doença.

“Estamos garantindo prevenção, por meio de vacinas, e diagnóstico, com oferta de testes, além de tratamento medicamentoso. É muito importante que as pessoas acima de 40 anos procurem a unidade de saúde mais próxima para realizar testagem e se imunizar contra a hepatite B e que os pais vacinem as crianças contra hepatite A. Assim, conseguiremos tratar ainda mais pessoas e eliminar a sombra da hepatite do Brasil”, diz, em nota, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Em 2018, o Ministério da Saúde distribuiu 25 milhões de testes de hepatite B e C. Para 2019, com o fortalecimento das ações de diagnóstico e ampliação do tratamento, a expectativa é que esse número seja superado.

Além dos testes, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina contra a hepatite A para menores de 5 anos e grupos de risco. Disponibiliza também vacina contra a hepatite B para todas as faixas etárias. Esta vacina também protege contra a hepatite D.

Eliminação da hepatite C

O Brasil tem como meta eliminar a hepatite C até 2030. Para isso, nos últimos três anos, foram disponibilizados pelo SUS 100 mil tratamentos para hepatite C.

Neste ano, foram entregues 24 mil tratamentos para a doença. Até o início de agosto, de acordo com o Ministério da Saúde, serão entregues outros 5 mil tratamentos.

Em 2019, o Ministério da Saúde adquiriu 42.947 tratamentos sofosbuvir/ledipasvir e sofosbuvir/velpatasvir. Outros 7 mil tratamentos estão em processo de aquisição.

De acordo com a pasta, todas as pessoas diagnosticadas com hepatite C têm a garantia de acesso ao tratamento, independente do dano no fígado, assegurando universalização do acesso previsto desde março de 2018. Essa ação, segundo o ministério, coloca o Brasil como protagonista mundial no combate a hepatite C.

* Matéria alterada às 11h25 para atualização de informações divulgadas pelo Ministério da Saúde. Ao contrário do que foi publicado na primeira versão, o número de casos de hepatites no Brasil caiu no período de 2008 a 2018. A informação errada que apontava crescimento nos números da doença, publicada na primeira matéria, foi inicialmente divulgada pelo Ministério da Saúde que, em seguida, enviou os dados corretos para a redação.  (Fonte: Agência Brasil)


Petrolina permanece em situação de médio risco de infestação

por Milena Pacheco 17 de Julho de 2019 às 11:21
categoria: Saúde

Petrolina permanece em situação de médio risco de infestação

O resultado do Levantamento Rápido de Índice de Infestação para o Aedes aegypti (LIRAa) foi divulgado na segunda-feira (15) pela prefeitura de Petrolina, no Sertão de Pernambuco. De acordo com a pesquisa o município continua em sinal de alerta e o índice geral permanece em 2,1%.

Foto: Prefeitura de Juiz de Fora/Divulgação

Os dados coletados na primeira semana de julho, mantém Petrolina em situação de médio risco de infestação. Os bairros que apresentaram maior índice de infestação foram o Dom Avelar, São Jorge, São Joaquim e Terras do Sul.

No primeiro semestre de 2019, a Secretaria da Saúde notificou 1.416 casos de dengue, sendo 62 destes confirmados. Além disso, foram 99 notificações e duas confirmações de Zika. Enquanto de chikungunya foram 151 casos notificados e dois confirmados. (Fonte: G1)


Brasil é o único país do mundo que utiliza o termo hanseníase para se referir à doença

por Milena Pacheco 16 de Julho de 2019 às 13:30
categoria: Saúde

A boa notícia é que, atualmente, a doença tem cura e o tratamento é 100% eficaz, se feito corretamente.

Foto: Ministério da Saúde

A hanseníase é uma doença milenar, o seu histórico é antigo. Mas você sabia que o Brasil  o único país do mundo que utiliza esse termo para se referir à infecção? A explicação para isso é o grande estigma que a doença carrega. Isso porque, antigamente, os indivíduos que tinham hanseníase eram enviados aos chamados leprosários ou excluídos da sociedade, pois a enfermidade era vinculada a símbolos negativos como pecado, castigo divino ou impureza, sendo confundida com doenças venéreas. Por medo do contágio e por não haver cura na época, os enfermos eram proibidos de entrar em igrejas, por exemplo, e tinham que usar vestimentas especiais. O microrganismo causador da hanseníase foi identificado somente em 1873, pelo norueguês Armauer Hansen, que deu origem ao nome da doença. Com essa descoberta, alguns mitos foram derrubados. No entanto, o preconceito existe até hoje, sendo uma das principais dificuldades que os pacientes enfrentam. A boa notícia é que, atualmente, a doença tem cura e o tratamento é 100% eficaz, se feito corretamente. Segundo a coordenadora-geral de Hanseníase e Doenças em Eliminação do Ministério da Saúde, Carmelita Ribeiro Filha, os brasileiros devem ficar atentos a alguns sinais que podem ajudar a identificar a infecção.

“O sinais e sintomas, hoje, realmente são muito mais leves do que no passado, onde as pessoas eram diagnosticadas já quando estavam totalmente deformadas, hoje é diferente. Atualmente, o serviço de saúde sabe diagnosticar a hanseníase, temos profissionais nas Unidades Básicas de Saúde capazes de identificar a doença, temos o tratamento gratuito nas unidades do país inteiro. Tem cura, o tratamento é gratuito no SUS e os pacientes têm acesso garantido.

O mais indicado é ficar atento ao início dos sintomas. O diagnóstico precoce e o tratamento correto eliminam a transmissão da doença. O hansenólogo da Coordenação de Controle da Hanseníase do Pará, Carlos Cruz, lembra que, na dúvida, a dica principal é se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde o quanto antes.

“A melhor prevenção na verdade seria o diagnóstico precoce, naquela fase de manchas, onde os nervos não foram afetados. Para isso, é preciso que examine todas as pessoas que convivem com o doente. Com essa medida, a gente consegue diagnosticar a hanseníase em fase inicial, evitando que ela evolua para as incapacidades físicas. Além disso, uma outra medida que é realizada nestas pessoas que convivem com o doente é fazer o BCG. O BCG é uma vacina que é usada para prevenir a tuberculose, mas que também é usado na hanseníase, para aumentar a resistência das pessoas. E essas pessoas, uma vez vacinadas, elas se adoecerem, contrairão sempre uma forma mais leve da doença. Não impede de adoecer, mas faz com que a pessoa adoeça de uma forma mais leve da hanseníase.” (Fonte: Agência do Rádio)


Juazeiro: UPA terá atendimento reduzido hoje (12)

por Milena Pacheco 12 de Julho de 2019 às 10:52
categoria: Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde (SESAU) informa que, excepcionalmente nesta sexta-feira (12), a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) terá o atendimento restrito das 6h às 14h em virtude de uma manutenção da rede de esgoto interna.

O atendimento a pacientes com casos classificados como amarelo e vermelho, que necessitam de urgência, serão mantidos. Já os casos classificados como azul e verde serão encaminhados para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou demais unidades de saúde pública do município. Essa classificação será realizada pela equipe. Após esse período os atendimentos voltam à normalidade. (Com informações: Ascom/Sesau)


Frota do SAMU de Petrolina recebe reforço de duas novas ambulâncias

por Milena Pacheco 10 de Julho de 2019 às 09:46
categoria: Saúde

Foto: Jonas Santos/PMP

A frota do Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) agora conta com oito vans, duas delas foram entregues pelo prefeito nesta terça-feira (09), para agilizar e ampliar o alcance do serviço médico de urgência na cidade e zona rural.

Os novos veículos são equipados com maca, respirador mecânico, desfibrilador, monitor, cadeiras de rodas portátil, tubos de oxigênio, entre outros componentes. As vans ficarão à disposição do SAMU para assegurar mais de cinco mil atendimentos por mês em Petrolina.

Na visita à sede do Serviço de Urgência na Cohab Massangano, ao entregar as ambulâncias, o prefeito agradeceu à equipe de profissionais e garantiu que avançará em ações para aperfeiçoar o atendimento em saúde da população. “Lá em 2017, encontramos uma estrutura sucateada com apenas uma ambulância com mais de 400 mil km rodados para um serviço essencial para a população. Hoje, depois de termos recuperado a frota do SAMU, entregue 14 ambulâncias sociais novas, estamos reforçando com mais essas duas vans. Saímos de quase zero, portanto, para 22 veículos somando o transporte social e o de atendimento de urgência”, comparou Miguel.

A frota do SAMU agora terá oito vans. Dessas, quatro ficam nas ruas em atendimento, duas em reserva para revezamento e outras duas para uso em situações especiais ou para substituir caso algum desses veículos precise de manutenção. A estrutura do SAMU ainda dispõe de 105 profissionais, que se alternam em plantões para permitir o serviço à população 24 horas. (Fonte: Blog Nossa Voz)


Casos suspeitos de zika, dengue e chikungunya somam mais de 100% em Pernambuco

por Milena Pacheco 4 de Julho de 2019 às 16:50
categoria: Saúde

Sobe o número de casos suspeitos de arboviroses teve um aumento de mais de 100% em Pernambuco, nos seis primeiros meses de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018. Segundo boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde, nesta quarta-feira (3), a quantidade de notificações de zika subiu 197,8%. Os registros de dengue cresceram 123,1% e os de chikungunya, 115,9%.

Foram notificadas 56 mortes por arboviroses, nos seis primeiros meses de 2019. No mesmo período do ano passado, houve registro de 52 óbitos. Uma morte já tinha sido confirmada em boletim anterior divulgado pela secretaria. O aumento foi de 7,6%.

O governo afirma que o diagnóstico laboratorial positivo dos óbitos, para qualquer uma das arboviroses, não necessariamente confirma a doença como causa do óbito.

Esta avaliação, para descarte ou confirmação, depende de investigação domiciliar e hospitalar do óbito e de avaliação no Comitê Estadual de Discussão de Óbitos por Dengue e outras Arboviroses.

O boletim da semana 26 aponta os dados registrados entre os dias 30 de dezembro de 2018 e 29 de junho de 2019.

Ainda de acordo com o boletim, este ano, houve registro de 2.195 casos de zika, sendo 43 confirmados. Em 2018, foram 737 registros da doença.

Os dados sobre as confirmações de zika nos seis primeiros meses de 2019 não foram divulgados pela secretaria. O governo descartou 1.118 suspeitas e informou que houve ocorrências notificadas em 111 dos 184 municípios do estado.

O boletim da secretaria aponta que foram registrados 32.952 casos de dengue, nos seis primeiros meses de 2019, em todas as cidades do estado. No ano passado, o governo notificou 14.771 ocorrências suspeitas.

A quantidade de casos de dengue confirmados chegou a 6.901, no mesmo período. A secretaria também não repassou dados sobre as confirmações do mesmo período do ano passado. Foram descartadas 7.452 suspeitas.

As notificações de chikungunya, de acordo com o novo boletim, chegaram a 4.407 e foram feitas em 128 cidades pernambucanas. No ano passado, a secretaria notificou 2.041 casos suspeitos.

Este ano, o governo confirmou 191 casos de chikungunya e descartou 2.089. Os dados sobre confirmações da doença em 2018 não foram disponibilizados.

Sobre infestação

O novo boletim também aponta dados sobre o Índice de Infestação Predial do 3º ciclo do Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). Ao todo, informa a secretaria, 76 municípios estão em situação de risco de surto.

O documento diz também que 87 cidades encontram-se em situação de alerta e 21 municípios têm situação satisfatória. (Fonte: Blog Nossa Voz/Foto: Reprodução)


UPAE: promove mutirão para cirurgias de catarata em Petrolina

por Milena Pacheco 3 de Julho de 2019 às 11:53
categoria: Saúde

A Unidade Pernambucana de Atenção Especializada (UPAE) de Petrolina promove um mutirão para a realização de cirurgias de catarata, garantindo o tratamento gratuito no Sistema Único de Saúde (SUS), com a oferta de 300 procedimentos aos pacientes a partir de hoje (02).

A ação faz parte de um mutirão estadual onde participam oito equipamentos de saúde, sendo cinco deles no Recife e três, no Interior do Estado, totalizando mais de 2,7 mil procedimentos. A catarata é uma doença ocular que deixa a visão opaca, sendo a principal causa de cegueira reversível no mundo. 

“O mutirão tem início na UPAE Petrolina já a partir desta terça-feira (02). Os pacientes, regulados e triados pelos municípios, já realizaram os exames pré-operatórios e estão aptos a realizarem os procedimentos”, afirma a coordenadora da UPAE Petrolina, Graziella Franklin. O procedimento cirúrgico, que consiste na retirada do cristalino opaco e colocação de uma lente intraocular, é considerado de média complexidade, feito com anestesia local e sem necessidade de internação. O índice de recuperação é satisfatório e em 90% dos casos o paciente volta a enxergar normalmente.

Em 2018, mais de 20 mil cirurgias de catarata foram realizadas no SUS, sendo 9,6 mil delas feitas em unidades ligadas à rede estadual. Só em 2018, a UPAE Petrolina realizou 1.199 cirurgias oftalmológicas gerais, no tratamento de diversas doenças oculares. (Fonte: Blog Nossa Voz/Foto: Divulgação)


Veja lista do cronograma semanal de vacinação contra a tuberculose em Petrolina

por Milena Pacheco 2 de Julho de 2019 às 16:31
categoria: Saúde

(Foto: Reprodução)

A prefeitura de Petrolina divulgou a lista semanal de vacinação contra a tuberculose. A vacina já está disponível nas unidades de saúde do município.

De acordo com a Secretaria de Saúde, a vacina é obrigatória nos primeiros dias de vida e deve ser aplicada ainda na maternidade ou em alguma sala de vacinação das unidades de saúde. Para facilitar a aplicação da proteção, a prefeitura estabeleceu um cronograma semanal de disponibilização da vacina. (Fonte: Blog Nossa Voz)

Confira o cronograma de vacinação da BCG em Petrolina:

Terça-feira (02)

Manhã| Unidade Leonor Elisa – Dom Avelar

Manhã e tarde| Unidade Amália Granja – Vila Mocó

Tarde| Unidade Lia Bezerra – José e Maria

Manhã| Unidade Plínio Amorim – Rajada

 

Quarta-feira (03)

Tarde| Unidade Manoel Possídio – Areia Branca

Manhã| Unidade Josefa de Souza – Pedra Linda

Manhã| Unidade Maria do Socorro Gil – Ouro Preto

Manhã| Unidade Isaac Cordeiro – Izacolândia

Manhã| Unidade Gildevânia – N-5

 

Quinta-feira (04)

Manhã| Unidade Leonor Elisa – Dom Avelar

Tarde| Unidade Ricardo Soares – Cohab Massangano

Tarde| Unidade Lia Bezerra – José e Maria

Tarde| Unidade Bernardino Campos – Vila Eduardo

 

Sexta-feira (05)

Manhã e tarde| Unidade João Moreira – Henrique Leite

Manhã e tarde| Unidade Júlio Andrade – Cacheado

Manhã| Unidade Josefa de Souza – Pedra Linda