| Última edição: 31/05/21 - 11:11

Home Entretenimento Música Seu Jorge é condenado a pagar R$ 500 mil à família de...

Seu Jorge é condenado a pagar R$ 500 mil à família de Mário Lago

Compartilhe:
Foto: Reprodução/Instagram

O cantor é acusado por uso indevido de trechos da música “Ai que saudade da Amélia” na música “Mania de peitão”

Usar trechos de músicas sem autorização do compositor pode custar caro, mesmo que 14 anos depois. É o que Seu Jorge está sendo acusado, desde 2007, pela família do compositor Mário Lago (1911-2002). O cantor perdeu mais um capítulo da batalha judicial pelo uso indevido de trechos da música “Ai que saudade da Amélia” na música “Mania de peitão”, de acordo com o Jornal O Globo.

Segundo a família, em 2004, Seu Jorge usou sem autorização duas estrofes do samba, com letra de Mário Lago e música de Ataulfo Alves. O instante que foi parar nos tribunais começa aos 52 segundos da gravação e segue até 1 minuto e 26 segundos. Após recorrer da decisão dada em primeira instância, que o condenou a pagar R$ 500 mil aos herdeiros de Lago, em 2019, Seu Jorge foi novamente condenado a indenizar a família no mesmo valor.

Ainda de acordo com a publicação, a Justiça entendeu que dois trechos da canção de Lago foram usados por Seu Jorge sem autorização em “Mania de peitão”, que aparece no álbum “Cru” e nos DVDs “Seu Jorge” e “Live in Montreux”. O processo também inclui a gravadora Universal Music e a Cafuné Produções como rés. A decisão foi tomada na última sexta-feira (28) pela 29ª Vara Cível do Rio de Janeiro e ainda cabe recurso.

Assista a apresentação de Seu Jorge no Live in Montreaux, em 2005:

Em tempo…

Outro caso recente que deu o que falar no mercado aconteceu com o cantor Netinho, que teve seu nome envolto em uma polêmica depois que decidiu apresentar a música “Milla” em um ato pró-Bolsonaro em São Paulo no começo do mês. O autor da canção, Manno Góes, criticou a atitude e entrou na justiça para pedir que todos os vídeos que mostrem a cena sejam retirados do ar.

O hit carnavalesco “Milla” ficou muito famoso na década de 90, mas nos últimos tempos tem sido usado por multidões que se unem à favor do presidente da República, mesmo durante a pandemia da Covid-19. Manno Goés, por sua vez, se manifestou sobre a situação, proibindo Netinho de cantar a música novamente.

Fonte: Popline