asdasdasdasd

Corpo encontrado no N09 é de irmão do adolescente torturado e morto em Petrolina

por Simone Marques 2 de Abril de 2019 às 10:20
categoria: Violência

Colocando um fim na esperanças dos familiares de encontrarem Manoel Carlos de Souza dos Santos, de 10 anos ainda com vida, foi entrado na tarde desta segunda-feira(01), no Núcleo 09 do Projeto Senador Nilo Coelho, o corpo do menor desaparecido desde a última sexta-feira (29). Ele saiu com o irmão mais velho, Gustavo Vitor Souza dos Santos, 13 anos, que foi encontrado morto no mesmo dia, nas proximidades do Pátio de Eventos Ana das Carrancas. A família desde então iniciou as buscas do menino mais novo, porém o desfecho da história teve o mesmo o trágico fim.

Segundo o delegado a frente do caso, integrante da Delegacia de Homicídios de Petrolina, Gabriel Sapucaia, ao receberem a notícia da localização do corpo os familiares se deslocaram a Delegacia do Ouro Preto. A identificação prévia do menor foi feita pelas características e vestimentas, mas logo no início da noite de hoje, a mãe das crianças, Francineide dos Santos Souza, fez o reconhecimento oficialmente. “Ela estava na delegacia do Ouro Preto a tarde toda enquanto estávamos no local do crime. Foi ao IML para reconhecimento e assim que forem realizados os trâmites, será feita a liberação do corpo”, detalhou Sapucaia.

A Delegacia de Homicídio segue investigando a autoria e motivação dos crimes bárbaros que vitimaram os menores. A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Petrolina também está acompanhando a família e em nota assumiu os compromissos de “monitorar a investigação e apuração do crime, assumindo a responsabilidade de construir uma agenda para o aprofundamento de políticas públicas de proteção aos direitos da criança e do adolescente com a realização de um fórum permanente; cobrar que as ações de proteção sejam adotadas com eficácia no município; que tenham investimentos do poder público municipal, estadual e federal de proteção juvenil com o objetivo de diminuir a violência e evitar que crimes desta natureza volte acontecer em Petrolina”.